+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Muita mais pedagogia

 

RAQUEL Rodríguez Muñoz
23/05/2020

Desde que têm começado as fases de {desescalada}, estamos vendo incumprimentos na rua. Basta sair qualquer dia para passear ou fazer desporto para vê-lo e não acredito/acho que nenhum município seja uma exceção. Primeiro com os horários e o tipo e número de pessoas que podiam sair juntas e agora com a obrigação do uso de máscaras. ¿Mas a responsabilidade de quem é? ¿Só/sozinho de quem incumpre as medidas, ou há uma responsabilidade partilhada?

Me {decanto} pelo segundo. Embora é certo que o desconhecimento da lei não exime de seu cumprimento, neste caso temos de reconhecer que há um {sinnúmero} de normas e que além disso, umas vão mudando ao passar de fase e outras não. Duvido que a população em geral se leia o {BOE} cada vez que se publicam novas medidas, em maior/velho medida se informam através dos meios de comunicação, que têm multiplicado o seu trabalho de serviço público com esta pandemia. Mas também temos de ter em conta que há pessoas que estão cansadas desta sobreinformação e nem sequer põem a televisão ou a rádio, que é o mais simples. Há pessoas que não têm redes sociais e me centro sobretudo nas pessoas maiores/ancianidade, às que todo este turbilhão do coronavirus lhes pode exceder, ainda mais a quantidade/quantia de coisas que devem ter em conta ao sair à rua.

Por isso e por muitas outras circunstâncias pessoais, {considero} que, se {Mahoma} não vai à montanha, a montanha deveria ir a {Mahoma} e me {refiero} às administrações. {Echo} em falta muita informação porta a porta, por exemplo com bandos municipais, cartazes nos portais, sinalização -como se está a fazer por exemplo para dirigir a peões e desportistas em parques ou caminhos- e informação clara.

Agora que o uso da máscara é obrigatório, teria que esmagar à população sobre/em relação a a forma em que temos de pôr-se-la, onde não deve levar-se -{leáse} pescoço ou frente- como {quitársela} com segurança, como temos de desinfetá-las ou quanta é sua vida útil. Também as farmácias ou os estabelecimentos comerciais que as vendem poderiam contribuir a esta pedagogia.

Tudo para que a informação chegue ao maior/velho número de cidadãos. ¿Podem sair dois adultos com dois meninos juntos ou dois adultos com um menino, ou a mais de um quilómetro? Pois ainda não, mas muitas pessoas o desconhece. É outro exemplo. Temos de insistir e insistir na informação porque de isso depende que não {volvamos} para atrás.

*Jornalista.