Menú

El Periódico Extremadura | Quarta-Feira, 19 de septembro de 2018

Mas dá outro passo ao lado


10/01/2018

 

Artur Mas deu ontem um novo «passo ao lado» e anunciou que deixa a presidência do {PDECat}, o jogo/partido herdeiro da antiga {Convergència} e que faz parte da lista {Junts} {per} Catalunha com a qual o {expresident} Carles Puigdemont conseguiu ser a formação independentista mais votada nas eleições do 21-D. Mas abandona a presidência em plenário/pleno debate (algum diria luta) no seio do independentismo sobre/em relação a quem deve ser o próximo presidente da Generalitat e tão somente um dia depois de/após que {admitiera} diante da executiva do {PDECat} que a maioria absoluta do independentismo em assentos parlamentares no Parlament não é suficiente para impor seu projeto, dado que em votos equivale ao 47,5% da população. Ontem Mas reiterou esta ideia e justificou sua marcha em que o êxito de {JxCat} o 21-D abre uma nova etapa na qual são necessárias novas lideranças no {PDECat}, o que implica que o caminho pelo que deve transitar a partir de agora o jogo/partido já não é o mesmo pelo que o {expresident} o levaria.

A renúncia de Mas a presidir a o {PDECat} (que não à política, segundo enfatizou) é um bom reflexo da situação que vive o independentismo. Por um lado, exemplifica a alternativa aberta após o fracasso da via unilateral: ou manter a confrontação direta com o Estado (que é a linha que desde Bruxelas defende Carles Puigdemont) ou, sem renunciar à independência, acatar o quadro legal e formar um Govern com a intenção de governar, que é a dissertação que diante da executiva do seu partido defendeu Mas e que sustenta parte de ERC, por exemplo.

Mas a marcha do {expresident} da Generalitat também é um crude lembrete do alto preço legal que os líderes do independentismo estão a pagar por seu pulso com o Estado. Mas admitiu que o segundo motivo pelo qual deixa a presidência do seu partido é para poder/conseguir concentrar-se nos três processos legais que tem abertos: o do 9-N no Supremo e o Tribunal de Contas e o do 1-O. A vida política catalã não pode {abstraerse} do facto/feito de que a liderança do independentismo enfrenta graves processos judiciais por causa de a decisão de vulnerar o quadro legal. Convem ter em conta que muitas das decisões que se estão tomando estes dias, não só/sozinho a de Mas, têm relação com isso. E como ginja, na segunda-feira está prevista a sentença do caso {Millet}.

As notícias mais...