+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Fernando Simón, nos altares

 

FRANCISCO Rodríguez Criado
29/07/2020

Só/sozinho num país frívolo como Espanha o incompetente Fernando Simón poderia ser elevado aos altares. Frívolo… e sectário, porque aqueles que agora o canonizam –dirigidos por certos meios de esquerda– o condenariam à fogueira se estivesse ao serviço da oposição/concurso público.

E isso faz Simón: estar ao serviço de. Em Fevereiro teve uma oportunidade de Orellana / Orelhana de exercer como {epidemiólogo}, mas preferiu {compadrear} com o Governo e dizer a todo o momento o que este {considerara} mais oportuno. Tinha que conservar o posto, não fora a acontecerle o mesmo que a José Antonio Nieto, chefe de Prevenção de Riscos Laborais da polícia, destituído por elaborar um relatório/informe ¡em Janeiro! no qual aconselhava tomar medidas sanitárias.

Fernando Simón uns dias desaconselha a máscara (a Guardia Civil tratou de fazer-se com elas desde/a partir de Janeiro) e outros, o contrário; embora propensa a nossa assistência à manifestação do 8M (que deveria ter-se cancelado desde/a partir de pelo menos o 23 de Fevereiro, quando a {Lombardía} iniciou seu confinamento), afirmou recentemente, com dezenas de milhares de mortos contabilizados, que o multitudinário 8M não supôs um foco de contágio, se bem as reuniões de mais 30 pessoas, protegidos com máscaras, segundo ele, poderiam supor a expansão do vírus. Génio e figura.

Simón tem {surfeado} tantos erros, incoerências e {cacicadas}, que na empresa privada não tivesse durado dois telejornais. Mas se há um sector onde um inapto pode fazer corrida/curso, é o da política.

A Mesa de Turismo pediu a demissão de Simón por alegrar-se publicamente de que não vão belgas e ingleses de veraneio a Espanha, pois «é um risco que nos retiram». Este é o nível de quem disse que em Espanha não teria mais de quatro casos de coronavirus.

{Barrunto} que os empresários do sector turístico terão que esperar sentados: é mais fácil que Simón seja premiado com um alto cargo que cessado.

* Escritor