+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Feridas

 

PILAR Galán Rodríguez
21/05/2020

Não há mal que cem anos dure é a versão popular do isto também passará que parece que soa mais moderno, embora signifique o mesmo. Como sempre, o adagiário, às vezes tão odioso por real, {acierta} em seu conselho. De aqui a um tempo {miraremos} para atrás e esta situação terá desaparecido, não sei se como chegou, sibilina e silenciosamente ou de forma abrupta, igual que um bater da porta que fecho uma irrealidade para conduzir-nos ao que {llamábamos} normalidade, e não o era. Outra coisa é como {volvamos} deste viagem, com que feridas e de que gravidade serão estas. Nada dura para sempre, nem a dor da perda nem o {desamor} mas tudo deixa cicatrizes mais ou menos marcadas. Os mais afortunados só/sozinho conservarão um breve lembrança, como essa marca vermelha na pele que às vezes pica, o sinal apenas percetível duma pedra pequena no sapato, a minúscula pegada/marca de um dor que não chegou a ser tal. Outros terão arranhões e sulcos, que lhes recordarão que uma vez foram mortais, embora agora se criam/acreditem a salvo. E alguns, infelizmente, ficarão marcados por rasgaduras, roturas/quebras, restos de um naufrágio que os escolheu como sobreviventes à custa de seus seres caros. Todos, até os que vivam à margem, sairão feridos duma forma ou outra.

Terá quem recorde esta época como a da convivência familiar ou a do divórcio, ou quem conceba um filho ou volte a apaixonar-se com loucura da pessoa da que estava apaixonado. Tem tido que acontecer isto para que {recuperásemos} nossa verdadeira condição, a de mortais, sem outro calendário pela frente/por diante que o que marca a casualidade, o acidente diário/jornal que era nossa existência, ao que quisemos domesticar fazendo planos. Tudo foi possível quando acreditávamos que era impossível sobreviver. Frágeis, mortais e caducos {mostraremos} as cicatrizes duma época da que não nos gostará falar, sem saber que só/sozinho pondo palavras a toda esta irrealidade {convertiremos} em real o breve suspiro duma vida.

*Professora e escritora.