+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

El beliscão de {Alejo} e Sebastián

 

JUAN JOSÉ Ventura Fernández
19/05/2020

Cuando um médico doente ou falece, não sei se a vocês lhes passará, um sente como um beliscão emotivo. É como se na batalha que sabemos perdida contra a morte tivesse desaparecido uma linha defensiva. Se, além disso, o facultativo é uma pessoa conhecida ou próxima este cólica de sentimentos é mais forte. Algo assim me passou na semana passada, e com emoções encontradas de alegria e mal-estar.

Na quarta-feira as redes sociais difundiram o vídeo da saída da {UCI} de um paciente. A mim, o reconheço, não me gostam muito esses vídeos, mas nesta ocasião o aplaudido era o médico/ doutor {Alejo} Leal, a quem tenho tido a sorte de entrevistar alguma vez.

Como sei de seu {bonhomía}, de sua proximidade e de suas habilidades como médico, verle sair deste dura aposta me cheia duma sincera alegria. Não pertenço a seu círculo de amigos, mas sim sei que, acima de suas competências profissionais, {Alejo} Leal é uma pessoa excecional desde/a partir de o ponto de vista humano. Sabe de meu hobby/adeptos pela fotografia e, sendo ele um professor deste arte, me aconselhou mais duma vez sobre/em relação a tal ou qual objetivo, embora fora eu um simples {amateur}. Costuma ser habitual verle por Garrovillas de Alconétar e nalguma ocasião me enviou ao {email} alguma foto que me fez por São Blas ou a Feria de São Mateo. É um homem que sabe rir-se de sim mesmo e assim o demonstra em seus redes sociais, onde tira de santoral e bom humor.

No outro lado da balança está a desaparição de Sebastián Traba, médico de família no centro de saúde de Novo Cáceres. Não o conhecia, mas querer seguir/continuar trabalhando apesar de poder/conseguir reformar-se e a homenagem que lhe têm rendido seus pacientes e companheiros/colegas o diz tudo de sua qualidade humana. Não entendo como a preocupação atual dalguns cidadãos é a abertura ou não dos bares quando temos tão perto tragédias como estas. Não podemos descer a guarda nem um momento. Se o devemos a eles, a todos os que estão em primeira linha jogando-se o tipo por nossa saúde. Provérbio: El médico e o confessor, quanto mais velhos, melhor.

* Jornalista