Menú

El Periódico Extremadura | Segunda-Feira, 25 de junho de 2018

Autores e animais

María Francisca Ruano
08/06/2018

 

Há grandes {pensadores} que expressaram respeitosas ideias e sentimentos refletindo sobre/em relação a os pequenos animais. Ou as raças de maiores/ancianidade tamanhos.

Os houve e os terá enquanto os animais racionais utilizem e dirijam o comportamento até os irracionais, como o fizeram sempre, que é um hábito mais difícil de transformar que uma lei --que as há-- mas que no quarto deste século conseguiu {visiblizar} em muitas partes do mundo que, associações, partidos políticos, eleições ganhadas e coletivos muito numerosos, mudem a escuridão por umas luzes acesas nos cérebros e interesses até o mundo animal vivo, que não nos pertence, como uma pedra ou um brinquedo, na verdade, a ninguém.

Pensar que cada ser vivo de sua espécie possa chegar a ter o direito a direitos foi argumento sólido nas obras de {Aristóteles}, {Montaigne}, {Lorenza}, {Mosterín}, {Frans} de {Waal}, {Fréderic} {Lenoir}, filósofos, cinéfilos, investigadores, {etólogos}, escritores. A bibliografia é inacabável. Para {azuzar} os velhos vestígios vetustos. Porque {progresamos}.

ENTIDADES BANCÁRIAS

Uns horários pouco/bocado práticos

Antonia López

Administrativa

Cuando vamos a um comércio a comprar nos gosta que nos atendam corretamente, que nos informem bem e que possamos pagar comodamente. Mas quando nos {acercamos} a nosso banco pelas tardes e não podemos realizar os trâmites que necessitamos, a mim, particularmente, me provoca {frustación}. Aos que trabalhamos/trabalhámos todo o dia se nos faz impossível ir ao banco, a não ser que peçamos festa. O banco não deixa de ser um comércio que tenta vender-te seus produtos, e mais agora, que com o desastre das preferentes e as dívidas subordinadas fizeram o grande negócio burlando a milhares de pensionistas que perderam suas poupanças, pelo que se tem {esfumado} a imagem do profissional de banca que te assessorava honradamente. O que temos agora é um perfil de comercial puro e duro, que vão mudando de escritório para que não {empatice} demasiado com o cliente.

Por outro lado, me parece ultrajante que para aceder a teu dinheiro, fuera do horário da maioria das entidades bancárias, {tengas} que {resignarte} a tirá-lo da máquina em plena rua, com o perigo de que alguém te possa roubar. No suposto de que acontecesse, a responsabilidade seria do cliente, o qual também não me parece demasiado correto, pois a entidade te obriga a aceder a seus serviços num lugar público, pelo que entendo que a responsabilidade teria que ser da entidade.

CRISE NA DIREITO

A trio do PP

Javier Sanz Ridruejo

Madrid

{Es} una tragedia para la democracia, que pediria uma alternativa {reequilibradora} à esquerda. Porque os três candidatos/candidatas a remediar o grande trambolhão do PP representam ao máximo o «mudar para não mudar», o «sustentá-la e não emendá-la». {Santamaría} é, mesmo legalmente, a «{vice}-Rajoy», do qual não se tem diferenciado nunca nem um milímetro, nem sequer em seu comum fracasso com Catalunha.

{Cospedal} encarna a continuidade do pior aparelho, repudiada já antes que Rajoy como presidenta em Castela-A Mancha por sua feroz crueldade: «¡{Ladrona}, que {robas} aos pobres para dar aos ricos!», como lhe gritou uma anciã.

Quanto ao candidato clássico, {Feijòo}, a foto de suas férias com e na barca de um narcotraficante mostra a profundidade de sua corrupção (e muito ignorante seria o que acreditasse que ele ignorava com quem se embarcava); para além de que o resto dos espanhóis temos direito a desejar outras alternativas ao estilo galego de governar que tem predominado tanto/golo e tão {cuestionablemente} nos últimos oitenta anos.

As notícias mais...