Menú

El Periódico Extremadura | Quinta-Feira, 2 de abril de 2020

Um grande Quinta-feira de Comadres reúne a mais de 3.000 romeiros

Os {madrigalejeños} voltaram a dar exemplo de convivência, irmandade e gosto pela tradição

J. VENTURA caceres-prov@extremadura.elperiodico.com MADRIGALEJO
21/02/2020

 

«¡Há um menino novo dançando!», diz sorrindo María Hernando Jiménez, quem a seus 85 anos e com a ajuda de dois muletas se subiu à escadaria do Câmara Municipal de Madrigalejo para ver dançar ao grupo folclórico San Juan Bautista. «Isto do Quinta-feira de Comadres vem de antigo, de séculos. Lembrança que antes as mulheres {íbamos} em burro e não era estranho que alguma se {cayera}», explica rindo,

O de María é um testemunho que resume a indescritível ilusão/motivação com a que os {madrigalejeños} de todas as idades vivem seu dia maior, o Quinta-feira de Comadres. O o de ontem foi especialmente bom, graças ao bom tempo {reinante}. A jornada começou muito precoce. Os meninos do povo/vila despertaram a todos com suas bicicletas que arrastavam latas. Presságio de festa. Depois, repicaram as sinos.

Entre a Câmara Municipal e a igreja de San Juan Bautista se amontoavam centenas de curiosos. O grupo folclórico San Juan Bautista -que pode presumir de sua pedreira/formação- mostrou seu grande estreitamente de recuperação de músicas e danças populares, especialmente de jotas. Dançaram a Jota de Madrigalejo, a Jota dos Cinco Duros, o {Fandango} do Limão, a Jota do Cura de A Conquista, a Jota Ave María de Olivenza, a Jota da Volta e a Jota da Romaria de Serradilla.

«¡Viva o Quinta-feira de Comadres!», gritam uns espectadores no fim dos danças. A emoção se apalpa no ambiente e todos olham ao fundo da praça/vaga de Espanha com nervosismo. A charanga anuncia o esperado momento. E começa o delírio. Jóqueis, {amazonas} e cavalgaduras {bellamente} {enjaezadas} passam perante os olhos enlevados dos vizinhos/moradores. Se cumprimentam com carinho e inclusivamente alguns aproximam aos mais pequenos para dar-lhes um passeio no meio dos {vítores}. Depois, celebrou-se uma concorrida romaria na zona da antiga estação, a uns poucos quilómetros do povo/vila.

Participação

Sergio Rey, presidente da Câmara Municipal de Madrigalejo explica que o Quinta-feira de Comadres, com perto de 3.000 participantes neste ano, demonstra o unido que está o povo/vila e seu carácter aberto. Destaca tratar-se duma festa eminentemente familiar. Assim o corrobora o romeiro David García Bernal, quem, acompanhado de sua mulher Julia Pecos e seus filhos, explica que não faltam nunca à romaria: «Na Quinta-feira de Comadres é um sentimento muito grande. É irmandade e partilhar um dia de campo com teus seres caros».

A jornada acabou com o recebimento no povo/vila dos romeiros com charanga e uma concorrida verbena na praça/vaga de Espanha.

As notícias mais...