Menú

El Periódico Extremadura | Segunda-Feira, 25 de septembro de 2017

Tempo de caminhantes

Victoria Bazaga Presidenta de la Federación de Turismo Rural de Extremadura
03/05/2017

 

Quando chega a primavera a Extremadura, sabemos que nuns dias poderemos usufruir das deliciosas cerejas do {jerte}, vendo esse paisagem verde com milhares de lunares vermelhos que o fazem tão especial. Em pouco/bocado tempo também se nos antojará dar-nos um banho nas mais de 60 zonas preparadas para isso, piscinas naturais das Hurdes, praia em {Orellana}, ou sair a pescar por Alcántara, Cedillo ou Alange, o {barbo}, a tenda, o {lucio} ou por Casar, {Malpartida} ou Arroyo rota da {Tenca}, a procurar essas peças que dizem que são bocado de Imperadores. É tempo de cuidar da caça que se regenera no ambiente de Monfragüe, ou da Serra de São Pedro , essas perdizes que também se cozinham nos fogões dos restaurantes de Cáceres. De ver voar já de volta às {grullas}, essa aves que transitam por espaços como a {Siberia} ou Serena juntamente com águias imperiais, reais e {perdiceras}, {alimoches} cegonhas negras e brancas, abutres leonados ou {milanos}, que o fazem por nossa mais de 30 {zepas}.

Terá que tirar tempo também, para ir ao Festival de Teatro de Alcántara, e dizem que a Trujillo temos de ir por o menos uma vez na vida e esse dia temos de aproveitar para comer, que se come muito bem, uma ricas sopas de tomate, ou um {trufado}, com um bom queijo. Ir a Feria a ver as cruzes de flores que têm elaboram os {coritos} para o dia da Santa Cruz, respirar os ares mais puros e limpos que se respiram em {Cornalvo}, perto de a Maravilhosa Mérida à que iremos a ver as obras do Teatro Romano, visitar as grutas de Fuentes de León nas {estribaciones} da Serra de {Aracena}, ou chegar até à mina a {Jayona} perto de Fuente de Cantos. Tomar um pouco/bocado de presunto de Xerez, de Mosteiro, de Aliseda, de qualquer sítio da nossa terra, para repor forças com esse maridagem irresistível ‘cava da Extremadura’ e chegar até ao jazida de Penhasco {Roano}, o conjunto/clube {tartésico} melhor conservado da península Ibérica.

É tempo de caminhantes, de viajantes da Via da Prata, esses homens e mulheres de qualquer parte do mundo que levarão para toda sua vida e em seu coração nossa terra. Terão percurso/percorrido a espinha dorsal desta região e cruzado olivais e montados {ensimismándose} com os touros bravos e os porcos ibéricos. Que quando estão já quase no fim sabem dizer ‘{patatera}, miolos e Torta del Casar’ que têm saboreado {nuesto} {Slow} {Food}. E subirão milhões de fotos e textos falando da nossa terra e farão que outros muitos voltem por aqui.

Quando chega este tempo, chegarão as romarias, a da Virgem da Luz em Arroyo com suas corridas/cursos a cavalo, a de Jaraíz de la Vera, a de Fregenal de la Sierra em honra a Nossa Senhora Santa María de los Remedios. Chegam as Romarias de São Isidro a Valencia de Alcántara, Fuente de Cantos, La Zarza, Zafra , Don Benito, ou, os povos/povoações começam a preparar-se para suas festas, e começam a chegar os turistas.

Uns Turistas com os que partilharemos o melhor que temos, o nosso, o que nos faz únicos. Nossa terra e nossa cultura. Uns turistas que se tudo tem saído bem dirão, … ‘Extremadura me fica muito por ver, tenho que voltar’. Usufruam vocês também do que é nosso.

As notícias mais...