+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

O sector da caça pede reduzir à metade as capturas de {tórtola}

Criticam a resposta do Governo de catalogá-la como “vulnerável”

 

A ‘desejada’. Um exemplar de {tórtola} num árvore. - EL PERIÓDICO

Redacción AA MONOGRÁFICOS
12/10/2019

Um total de 25 entidades e 9 peritos no sector da caça subscreveram um manifesto no qual apresentam reduzir as capturas de {tórtola} comum (‘{Streptopelia} {turtur}’) em, pelo menos, um 50%.

Os signatários se queixam de que a “única” resposta do Governo tenha sido, depois de/após receber/acolher o aviso de infração por parte da União Europeia por não garantir a conservação da {tórtola}, a proposta de catalogar à {tórtola} como ‘Vulnerável’, “sem fomentar outras iniciativas sobre/em relação a melhorias de habitat segundo marca o Plano internacional, algumas delas consideradas como de emergência”.

Portanto, o ‘Manifesto pela conservação da {tórtola} comum’ aposta numa gestão cinegética sustentável desta espécie como “melhor solução” para sua recuperação.

Para isso, em primeiro lugar, pedem a redução das capturas de {tórtola} em, pelo menos, um 50%, tal como sugere o Instituto/liceu de Investigação em Recursos Cinegéticos ({IREC}).

CONTROLO. Concretamente, isto se faria estabelecendo um máximo de quatro dias úteis de caça similares em todas as comunidades; utilizando métodos para controlar as quotas; com o incremento das inspeções; e a regulação do uso de {comederos} e sementeiras para as {tórtolas} para garantir que a {suplementación} alimentar não suponha um problema de conservação da espécie.

Também apostam em potenciar a implementação das medidas prioritárias de gestão do habitat para garantir a disponibilidade de alimento e zonas de {nidificación} adequadas para as {tórtolas}, através de medidas agroambientais para favorecer sua reprodução e sobrevivência e a identificação das zonas de especial interesse/juro para a espécie em seu território.

A terceira proposta passa por melhorar a monitorização das {tórtolas} em colaboração com o sector cinegético e outros agentes para, desta forma, determinar o efeito das medidas de gestão propostas, tanto/golo através da realização de recenseamentos por escutas na época reprodutiva e da estimação de {abundancias} relativas em zonas de alimentação, como com a melhoria na aquisição de dados de capturas (naqueles territórios nos que se cacem).

Os signatários do manifesto assinalam que em Espanha existem exemplos de como a veda duma espécie sem acompanhar-se doutras medidas não costuma ter claros resultados positivos (caso de espécies de {anátidas} e {limícolas} cinegéticas, bem como a perdiz {pardilla} ibérica e o {urogallo} cantábrico e {pirenaico}).