+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

A Matança Popular aguarda a visita amanhã de 5.000 participantes

O município celebra a 24 edição de seu matança tradicional na qual colaboram 70 voluntários locais, que cozinharão e servirão miolos, aperitivo, batatas com carne e prova H A presidenta da Câmara Municipal {Mónica} Graus destaca a rota senda interpretada ‘O {embarcaderoSSRq}

 

Chamuscado 8 Esta operação realiza-se com giesta ardendo, ao estilo tradicional. - F.J. TORRADO

Chamuscado 8 Esta operação realiza-se com giesta ardendo, ao estilo tradicional. - F.J. TORRADO

J. VENTURA
06/03/2020

O porco foi o alimento essencial em muitos povos/povoações extremenhos durante séculos. Em Alcántara estão conscientes de essa realidade e, desde há vinte e cinco anos, a localidade é cenário duma grande festa que recupera a liturgia da matança do porco e a preserva para conhecimento de gerações futuras. A Matança Popular de Alcántara -que amanhã sábado 7 de Março celebra seu 24 edição- espera reunir a mais de 5.000 pessoas nesta histórica localidade cacerenha na qual durante todo o dia se renderão honras ao animal totémico da produção pecuária regional.

{Mónica} Graus, presidenta da Câmara Municipal de Alcántara, destaca a grande participação popular, dado que se trata da maior/velho matança de toda a província, e que pode superar as 5.000 pessoas, se acompanha o clima. Perto de 1.500 quilos de carne serão degustados ao longo/comprido duma longa jornada que combina a gastronomia, a solidariedade e os numerosos atrativos turísticos da zona.

Outro dos traços que caraterizam este acontecimento {culinario} é a participação popular, não somente em forma de espectadores, mas na organização e o desenvolvimento das atividades. Obrigada/obrigado, a cifra de voluntários das diferentes associações locais supera as 70 pessoas em cada uma das fases de elaboração, venda e degustação do porco em suas variadas apresentações. Também terá um mercado artesanal.

A jornada começará precoce, sobre/em relação a as nove da manhã, com a elaboração de miolos {matanceras} a cargo dos voluntários da terceira idade junto a outras associações. «Os voluntários da terceira idade e em geral todos os que concorrem neste dia se levam fenomenal», explica a presidenta da Câmara Municipal de Alcántara.

{Mónica} Graus acrescenta que a matança popular se resgatou faz quase vinte e cinco anos porque «se estão perdendo as tradições e temos de ir recuperando nossa cultura e costumes, e ensinar à pessoas como se fazia antes esta lavor/trabalho».

Não obstante, temos de {recordar} que, por regulamento, o porco já foi sacrifícado e o que se faz é uma demonstração do chamuscado e do {despiece}.

ROTA INTERPRETADA / Mas a jornada não será exclusivamente gastronómica, também é uma excelente oportunidade para percorrer os caminhos e rotas da zona. Por isso, às nove e média/meia da manhã, os que o desejem podem participar na rota senda interpretada ‘O cais’.

A saída se realizará desde/a partir de a praça/vaga da Corredera de Alcántara com destino ao antigo cais de Alcántara, da época de Felipe II, passando, naturalmente, pelo Ponte/feriado Romano. Trata-se de uma rota de dificuldade média/meia, para todas as idades, com uns sete quilómetros de extensão e umas vistas impressionantes, e para a que se recomenda levar calçado cómodo. Marco interessante na rota é o Miradouro das Freiras (onde se situava o antigo convento das Freiras {Comendadoras} da Ordem/disposição Militar de Alcántara) desde/a partir de onde se pode ver como o rio Tejo vai-se estreitando em seu traçado, bem como todos os {riberos}. À volta realiza-se um percurso/percorrido que passa abaixo do Ponte/feriado Romano, para regressar a Alcántara pelo caminho de A Cobra. Ao ser uma rota senda interpretada, as profissionais da posto de turismo farão paragens/desempregadas/paradas em todos os lugares de interesse/juro e monumentos para explicá-los.

SOLIDARIEDADE / A perspectiva solidária também é outra das endereço de identidade da matança {alcantarina}. Assim, a partir das onze e média/meia da manhã começará uma tômbola a benefício da Associação {Asindi} Plena Inclusão, que proporciona diferentes serviços de atenção especializada a pessoas com deficiência, e a União Desportiva Alcántara, para financiar as despesas da época.

Desde/a partir de o meio-dia –embora todas as horas som aproximadas- começam as degustações. Neste caso, de aperitivo de matança com toucinho fumado, vinho e pão. Sobre/em relação a as três e média/meia é o momento da distribuição da comida/almoço de matança, batatas com carne, pelo simbólico preço de 3 euros, que não tem variado nos últimos anos.

Muito esperada é o processo da Orquestra Diamante, O {Show} do Careca, que destaca pela variedade do repertório, a seleção das canções que interpretam e o nível artístico que seus componentes entregam em cada uma de suas atuações. É um espetáculo divertido de perto de hora e meia e no qual todos dançarão.

Finalmente, e após o movimentação do dança, ainda é possível usufruir das excelências do porco na degustação da prova do porco sobre/em relação a as sete e média/meia, um prato que em cada edição goza de mais adeptos.

ASSIM É A MATANÇA /Embora antes eram os homens da casa os que seguravam ao porcalhão para sacrifícá-lo, suportando suas investidas, na atualidade os exigentes controlos sanitários obrigam a que a matança se realize de forma controlada e supervisionada. Por isso, a de amanhã não se realizará cara ao público. Os animais virão já prontos/espertos para começar seu {despiece} com a giesta acesa, enquanto o cheiro a cabelo chamuscado invade a Corredera. Assim se inicia o ritual de separar a carne, guisá-la e prová-la para ser elaborada em toucinho fumado, batatas com carne ou prova de porco. A XXIV Matança Popular de Alcántara está organizada pelo Câmara Municipal de Alcántara, membro da Associação de Povos/povoações Mágicos de Espanha, com a colaboração da Diputación de Cáceres e associações locais. Para além de por seu Ponte/feriado Romano, que se postula como Património da Humanidade, Alcántara é conhecida pelo Conventual de São Benito, o bairro judeu, a igreja paroquial de Santa María de Almocóvar, a igreja de São Pedro ou suas lindas muralhas.

O próximo 14 de Março, terá lugar a Descida da Santíssima Virgem dos Marcos, acontecimento que só/sozinho acontece cada cinco anos, e que é muito importante na vida dos {alcantarinos}. A patroa/padroeira permanecerá no povo/vila até ao sábado 21 de Março e a romaria será o 28 de Março. O patrão local –e também da Extremadura- é são Pedro de Alcántara, que se festeja o 19 de Outubro.