Menú

El Periódico Extremadura | Sexta-Feira, 24 de novembro de 2017

A diversão e o bom ambiente inundam as ruas da localidade

A {cervezada} será o início da semana mais esperada pelos {venteros}

REDACCIÓN epextremadura@elperiódico.com NAVAS DEL MADROÑO
09/08/2017

 

Um ano mais, os habitantes da localidade cacerenha esperam com vontade suas tradicionais festas de Agosto. Diversão, bom ambiente, amigos, música e, sobretudo, paixão {ventera}. A {cervezada} de sexta-feira às 22.30 horas marcará o começo duma grande semana de celebração. Às 23.30 horas se procederá à rifa de presuntos entre as diferentes associações da localidade e às 24.00 horas se lerá o tradicional pregão de festas. A isto lhe seguirá/continuará um concentração de três {erales}.

No sábado às 12.00 horas se procederá ao concentração de {carretones} e essa mesma tarde se lidarão dois touros às 19.00 horas. A discoteca telemóvel será a partir das 24.00 horas para que todos os {venteros} e visitantes possam usufruir duma noite de festa inolvidável.

Para os meninos também terá atividades: um espetáculo infantil na praça/vaga da Constituição a partir das 12.00 horas convidará aos mais pequenos a passar uma amanhã do mais entretida. Seguindo/continuando com o programa taurino, essa tarde se lidarão outros dois touros às 19.00 horas.

Na segunda-feira dia 14 também não deixará indiferente a ninguém. A madrugada de domingo a segunda-feira se lidarão um novilho e uma vaca e à amanhã seguinte se procederá à clássica contorna às 12.00 horas. Como nos dias anteriores, essa mesma tarde se lidarão dois touros às 19.00 horas.

Por seu lado, os meninos e meninas poderão usufruir de um espetáculo infantil na terça-feira dia 15 na praça/vaga da Constituição a partir das 12.00 horas. À tarde às 19.00 horas se lidarão dois touros. E tudo o bom tem que chegar ao seu fim. Na quarta-feira dia 16 celebrar-se-á um jantar popular às 22.30 horas na praça/vaga da Constituição para todos os habitantes e visitantes que desejem assistir. Fecharão as festas {venteras} 2017 a lida de um novilho e um espetáculo de {recortadores} às 24.15 horas.

A praça/vaga de Navas del Madroño foi praça taurina desde há mais de centena cinquenta anos. Foram muitos os festejos que se celebraram por ocasião de as feiras e mais tarde como festa própria de touros, quando finalizavam os trabalhos do campo e as {carretas} passavam a ocupar seu sítio na praça/vaga empedrada fechando suas laterais.

TOUROS COM HISTÓRIA / Em seus inícios já se produziu algum acontecimento tragicómico naqueles primeiros soalhos construídos de traves de madeira, como o acontecido o 8 de setembro de 1863 quando os espectadores duma parte da praça/vaga ficaram debaixo do amassilho de madeiras a consequência de ter-se afundado um soalho.

A praça/vaga com arcadas de {navas} também serviu para celebrar um festejo taurino com o que {solemnizar} a promulgação da Constituição de 1869. Nesta ocasião a Assembleia provincial Provincial de Cáceres autorizou à Câmara Municipal de Navas del Madroño a investir 100 escudos na ‘aquisição e lida de um touro’. Mas nos primeiros anos do século XX, no 1912, à praça/vaga histórica lhe saiu uma rival: um grupo de vizinhos/moradores de {navas} criou uma sociedade para construir uma nova praça de touros nas arredores do povo/vila. Esta flamejante praça/vaga, que se pretendeu estrear a bombo e pratinho na feira do ano 1913 com uma tourada, não pôde celebrar espetáculo taurino esse dia por não autorizá-la o Governador civil de Cáceres. Uns adeptos diziam que não se autorizou por não tocar a tempo todas os molas da política e outros que por ter tocado os contrários. Se calhar os mais maiores/ancianidade possam dizer-nos qual foi sua vigência como segunda praça taurina. Na praça/vaga das nessa altura Câmara Municipal se chegaram a celebrar festejos populares ao estilo tradicional combinados com atuações de {torerillos} que necessitavam abrir-se caminho lutando nas praças/vagas dos povos/povoações. Entre os que se recolhem/expressão nas hemerotecas da época está a intervenção em 1915 de Manuel Cascales, que se as viu com reses de Galã, pecuário de {Navas}, e que foi muito {ovacionado} saindo a ombros. Seu colega de distribuição, Manuel Martín, foi pegado e sofreu fratura de {clavícula}. Na década dos sessenta e princípios dos setenta do passado século passaram por esta histórica praça/vaga muitos jovens maletas que quiseram conseguir a fama e deixar atrás a fome; não sabemos se algum alcançou seu sono/sonho. Apesar de ter que ver-se-les com {boyancones} {correosos} e vacas {resabiadas} algum recordou muitos anos depois com carinho a esta emblemática praça/vaga,como fê-lo o gaditano Manuel Cantero Granero, {Barberillo} de Cádiz.

Esperemos que ainda lhe fique muita vida a nossa praça/vaga para seguir/continuar acolhendo os tradicionais espetáculos taurinos que tanto/golo têm marcado a história de Navas del Madroño. E que não se esqueça quem tem de organizar os festejos desse dito {ventero}: se não há {torus} {ardin} os {pajaris}.

As notícias mais...