+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Até um modelo energético limpo, competitivo e sustentável

Iberdrola lidera a transição energética até um modelo sustentável através de seus investimentos em projetos de energia renovável, redes inteligentes, o armazenagem de energia a grande escala e a transformação digital. A companhia, que desenvolve na Extremadura o projeto fotovoltaico Núñez de Balboa, prevê dar início 2.000 MW renováveis na região até 2022, constatando a liderança da região e de Espanha na transição até um sistema energético mais sustentável e competitivo

 

Avanços. Construção do projeto fotovoltaico de Núñez de Balboa. - EL PERIÓDICO

O presidente de Iberdrola, José Ignacio Sánchez Galán, e o presidente da Junta de Extremadura Guillermo Fernández Vara na planta {fotovoltáica} {Nuñez} de Balboa o passado o 18 de Março. - {MARCELO} DO POÇO

Redacción AA MONOGRÁFICOS
08/09/2019

Iberdrola está convencida de que la transición hacia un modelo energético sostenible, baseado em energias renováveis, que contribua à luta contra as alterações climáticas vai gerar importantes oportunidades sócio económicas, industriais e de geração de emprego em Espanha.

A companhia prevê desenvolver em Espanha pelo menos 10.000 novos megawatts (MW) terrenos e eólicos até 2030. Uns anos antes, para 2022, terá posto em marcha 3.000 novos MW renováveis.

O desenvolvimento destes projetos, e outros relacionados com redes de distribuição, requererá duma investimento de 8.000 milhões de euros Espanha até 2022. O plano permitirá a criação de emprego para 20.000 pessoas.

NOVOS PROJETOS RENOVÁVEIS: MAIS DE 2·000 MW. Na Extremadura, Iberdrola constrói o projeto fotovoltaico Núñez de Balboa, de 500 MW de potencia instalada, e mantém em tramitação outros quase 1.600 MW renováveis: as plantas fotovoltaicas Francisco Pizarro -que com seus 590 MW de capacidade é a maior projetada na Europa até ao momento-, Ceclavín (328 MW), Areais (150 MW) e Campo Arañuelo I e II (50 MW cada uma).

Desta forma, a nova capacidade renovável prevista por Iberdrola na Extremadura, constata a liderança da região e Espanha na transição até um sistema energético mais sustentável.

Com perto de 300 milhões de euros, no projeto {Núnez} de Balboa chegarão a trabalhamos/trabalhámos mais de 1.000 pessoas, até a sua posta em marcha em 2020. A iniciativa conta com a participação de empresas locais, como Ecoenergias do Guadiana, {Imedexsa}, {Cubillana}, {Elaborex} e o Instituto/liceu Aeronáutico.

A planta ocupa uma superfície próxima às 1.000 hectares e gerará energia limpa suficiente para abastecer a 250.000 pessoas, cifra superior à população das cidades de Cáceres e Badajoz. Também, evitará a emissão à atmosfera de 215.000 toneladas de CO² ao ano, reforçando o acordo/compromisso da companhia com a proteção do ambiente e a {mitigación} do aquecimento global.

Francisco Pizarro, por seu lado, ocupará uma superfície de 1.300 hectares entre os municípios cacerenhos de {Torrecillas} da Tiesa e Aldeacentenera e gerará um volume de emprego similar, bem como energia limpa suficiente para abastecer a 375.000 pessoas ao ano e evitará a emissão à atmosfera de 245.000 toneladas de CO² ao ano.

Iberdrola é o primeiro produto de energia eólica em Espanha, com uma potencia instalada de 5.770 megawatts (MW) e sua capacidade renovável total instalada alcança os 15.828 MW. Na Extremadura, enquanto os projetos fotovoltaicos ganham terreno, a companhia opera mais de 2.000 MW renováveis, principalmente centrais hidroelétricas, bem como a central de Almaraz.

No mundo, a capacidade renovável instalada de Iberdrola se eleva a mais de 30.300 MW, um volume que converte a seu parque de geração num dos mais limpos do sector energético.

redes inteligentes

e cidades sustentáveis. As iniciativas da atividade de Iberdrola para promover um modelo energético mais limpo, eficiente e sustentável passam também por alargar as possibilidades de sua rede de distribuição inteligente e digitalizada.

A companhia, que tem investido nos últimos anos 2.000 milhões na {digitalización} de seus contadores e a infraestrutura que os suporta, quer contribuir a que os principais municípios do país evoluam em sua transição até uma cidade inteligente ou {smart} {city}. De facto, através de sua empresa de redes de distribuição {i-DE}, trabalha já com vários municípios extremenhos nas quatro áreas estratégicas para uma cidade inteligente, desde a perspectiva da rede de distribuição elétrica, que incluem a mobilidade elétrica, as infraestruturas de redes, a eficiência no uso da energia e a sensibilização cidadã.

Em 2018, {i-DE}, alcançou um recorde histórico em qualidade de fornecimento de sua rede elétrica na Extremadura e foi cinco vezes melhor que o registado dez anos antes. A companhia acomete, além disso, numerosas atuações na região para a proteção da {avifauna}.