Menú

El Periódico Extremadura | Domingo, 25 de fevereiro de 2018

O património procura a excelência

O Consórcio da Cidade Monumental realizará neste ano uma vintena de atuações para melhorar os monumentos e a qualidade turística de Mérida. O Templo de Alvo se iluminará e se escavará o {Peristilo}

ROCÍO ENTONADO
13/02/2018

 

Melhorar o património e também a qualidade turística de Mérida. São os dois objetivos que o Consórcio da Cidade Monumental se apresenta face a este exercício 2018, no qual conta com um orçamento total de 4,7 milhões de euros. Os processos com mais dotação económica serão a melhoria da praça/vaga de Margarita Xirgu, onde se {acondicionará} o pavimento; a adequação da Casa do Anfiteatro e os trabalhos de conservação e restauração no teatro e anfiteatro.

Mas não somente estes três enclaves vão ser objetos dessa «necessária adequação patrimonial». Praticamente se contemplam atuações em todos os que estão visíveis ao público: o templo romano da rua {Holguín}, a casa romana da Alcazaba, os restos arqueológicos da Asamblea de Extremadura, o centro de interpretação do Fórum ou a Casa dos Mármores, que faz parte de um complexo arqueológico «tão importante, tão subutilizado e com tantas possibilidades» como a área de {Morería}. Para todas estas atuações, o orçamento conjunto/clube supera os 300.000 euros.

O fim último de todos estes trabalhos é «recuperar o património e devolvê-lo à sociedade para que o use e usufrua», segundo explica o consórcio. O organismo insiste em que o património «deve ser uma ferramenta útil para Mérida e seus {ciuadanos}», daí que seu plano de atuações para o ano 2018 dirijam suas prioridades a a cumprir «um objetivo básico»: melhorar a adequação patrimonial e a qualidade turística da cidade. Para isso, para além dos projetos já mencionados, vai-se a continuar com a atualização todos os painéis informativos dos recintos arqueológicos e alguns elementos patrimoniais.

Plano de iluminação

De igual forma, se contempla um plano de iluminação para os monumentos, com especial atenção ao Templo de Alvo. Também, se acometerá outro plano para a {eleminiación} de grafítis. Dentro de os fundos próprios do consórcio, face ao 2018 se apresentam também escavações arqueológicas no {Peristilo} do Teatro Romano e a Casa do Anfiteatro. As escavações se acometerão com o «acordo/compromisso» do Ayuntamiento de Mérida, que colabora com oficina de arqueologia da Fundação Dual {Gémina}. Graças a esta atividade, 15 alunos supervisionados pelo consórcio poderão colaborar na escavação do {Peristilo} e provavelmente a {Huerta} de {Otero}, «se bem a intervenção definitiva e necessária neste enclave arqueológico tão significativo»estará às expensas de uma possível financiamento externo».

Face neste ano também seguem/continuam projetados os tradicionais cursos de verão e a «total implicação» com Emérita Lúdica, que organiza a Câmara Municipal. Além disso, o consórcio participará «de forma {decicida}» na criação da fundação José Fernández López e celebrará um congresso nalgum lugar emblemático da cidade por ocasião do XXV aniversário da declaração de Mérida como cidade património da humanidade. Por último, se seguirão/continuarão potenciando os «ícones sociais» do consórcio: os programas Mecenas, Eméritos do Património e A Escola Adota um Monumento.

As notícias mais...