Menú

El Periódico Extremadura | Domingo, 21 de outubro de 2018

«O {recreacionista} não se põe um disfarce, se veste e representa»

DIEGO J. {CASILLASRecreacionista} de {Lvsitania} Romana

por CARMEN HIDALGO merida@extremadura.elperiodico.com
11/06/2018

 

La paixão pelo mundo romano lhe vem desde pequeno e parece não ter fim. O coordenador da associação cultural {Lvsitania} Romana, Diego J. Casillas, reconhece que o facto/feito de ser emeritense lhe levou a interessar-se pelo passado da cidade, daí que usufrua tanto/golo metendo's na pele de personagens históricos de faz dois mil anos para difundir a história.

-¿Que lhe levou ao mundo romano?

-É muito difícil que não te atire o romano sendo de um lugar como Mérida. Desde pequeno o vais vivendo, com mais intensidade ainda se {vivías} perto do teatro romano como era meu caso. Primeiro {fantaseas}, {ves} filmes, mas quando {creces} e te vais documentando para aprofundar no mundo romano é muito interessante.

-¿Como nasceu {Lvsitania} Romana?

-Um grupo de companheiros {decidimos} criar uma associação diferente à primeira que se criou na cidade para que se {centrara} noutra época do mundo romano. {Fundamos} {Lvsitania} Romana faz quatro anos e nos {especializamos} numa época da que não tinha nenhum grupo na Extremadura, isto é, quando começaram a aparecer os primeiros romanos por estas terras, em torno do 185-190 a.C. {Nuesta} associação é um grupo pequenino, mas trabalhamos/trabalhámos muito o rigor histórico da época que {recreamos} da maneira mais fiel possibilismo.

-¿Que importância tem o rigor histórico para o {recreacionismo}?

-Um princípio fundamental é que se não {tienes} a certeza de que algo era duma forma determinada, não {debes} de fazê-lo. Entrar no terreno das hipótese é muito complicado, por isso {decidimos} basear-nos em evidências.

-¿Acredita que a sociedade conhece vossa faceta o suficiente?

-As pessoas está muito enganada com o {recreacionismo} porque pensa que é um carnaval e que te {disfrazas}. O {recreacionista} não se disfarça, se veste e trata de representar um personagem de faz 2.000 anos. Muitas pessoas tem {reparo} para vestir-se de romano, se calhar porque não têm especialista/conhecedor bem o conceito/ponto de recriação.

-¿Que sente um {recreacionista}?

-O que sinto é uma grande responsabilidade com o personagem que recreio. Trato de transmitir-lhe à pessoas que existiu uma pessoa como a que {represento}, tanto/golo em sua forma de ser, sentir e pensar.

-¿Como tem evoluído o {recreacionismo} na cidade?

-O {recreacionismo} tem evoluído muitíssimo na cidade desde que se celebrasse o primeiro Emérita Lúdica, já que não tinha nenhum grupo de recriação histórica em Mérida. No ano seguinte se criou um que foi dividindo em vários e isso me parece bom. Nos enriquece a todos que cada vez tenha mais variedade de grupos {recreacionistas} para que o público possa ver coisas diferentes.

-¿Como vê Emérita Lúdica?

-Acredito/acho que Emérita Lúdica deve fazer um paralisação neste momento, não na atividade, mas para ponderar o que fizemos até agora, que se pode fazer e os meios disponíveis. Os primeiros anos mesmo me dada vergonha sair vestido de romano de casa. Agora {ves} a muitas pessoas vestida, embora muitos atiram de disfarces. Fazer-te um trouxe com certo rigor não requer muito dinheiro. Está bem que as pessoas perca o medo a vestir-se, mas temos que ir melhorando nesse sentido.

-¿Considera que se poderiam fazer mais eventos deste tipo?

-Acredito/acho que a jazida emeritense dá bastante de sim como para poder/conseguir fazer mais de um evento de recriação ao ano.

As notícias mais...