Menú

El Periódico Extremadura | Quarta-Feira, 22 de novembro de 2017

Frente antibaseia

RAFAEL Angulo
28/08/2017

 

Tenho que perguntar-lhe ao cinéfilo {Juanma} K (de {Cardoso}) se se une ao recém constituído Frente Antibaseia ({apócope} de Frente {anti} filmes baseados em factos/feitos reais) que estou promovendo {desaforadamente}.

Noutro dia, fazendo um excesso, fui com minha Gama a ver ‘{Dunkerque}’ apesar de que se anunciava com o cansado «baseada em factos/feitos reais» e é a última vez que {caigo} em semelhante {dislate} (se bem tenho que reconhecer que meu propósito da emenda costuma ser {flojito}).

Em minha sala doméstica as poucas vezes que tenho o comando (há três mulheres em meu casa e a tecla 5 desgastada), enquanto põem filme ou série «baseada em…» me falta tempo para mudar de canal e ir-me ao de cozinha (isso sim que são cheiros reais). {Reconozco} que cinematograficamente sou um desastre (na próxima legislatura me vejo na Cinemateca) porque além disso se começa um filme e aos cinco minutos não há um morto, me vou.

Primeiro argumento: Não há filmes baseados em factos/feitos reais. ¡É mentira, em {celuloide}! O que contavam em {Dunkerque} não aconteceu nem de {coña} (é irreal que entre trezentos mil tios ninguém {mentara} a Deus ou pedisse ajuda ao alto), a ambiguidade duns pode ser a realidade de outros mas, a ver como o digo, a realidade a miúdo é ambígua, complexa, cinzento, contraditório e impossível (outro {bodrio}) de descrever em imagens.

A realidade não é em branco ou negro, mas contém muitas matizes de cinzento e continuará a ser assim embora muitos a {tergiversen} (não há nada mais falso que um filme da guerra civil baseada em…). Segundo argumento: Se as reais são as «baseadas em…», ¿isso quer dizer que não existiu {Bamby}? ¿nem ninguém pronunciou: «Até ao infinito e para além»?, ¿nem em {Kug} {Fu} {Panda} se sentenciou algo por isso como para fazer que algo seja realidade basta com acreditar/achar que é realidade? ¿Que não? ¡Vamos andor!

As notícias mais...