Menú

El Periódico Extremadura | Quinta-Feira, 2 de abril de 2020

O festival de teatro de 2021 e 2022 sairá a concurso por 5,8 milhões

O novo contrato para gerir o certame se poderá alargar dois anos

REDACCIÓN
12/03/2020

 

O contrato de gestão do Festival Internacional de Teatro Clássico Mérida para as edições 2021 e 2022 sairá a licitação por 5,8 milhões de euros. O Conselho de Governo autorizou ontem ao Consórcio Patronato do certame a celebração do contrato de concessão. O contrato se refere à ‘direção, programação, realização artística e técnica, gestão, execução e liquidação de todas as atividades a realizar para a organização’, segundo informa a Junta numa nota.

O orçamento base de licitação será de 5.808.000 euros (IVA incluído) para um período de dois anos, desde/a partir de o 1 de Janeiro de 2021 até ao 31 de Dezembro de 2022, prorrogáveis por outros dois exercícios. Cabe {recordar} que o Conselho de Governo autorizou no passado 19 de Novembro uma despesa de algo mais de 1.570.300 euros para a gestão unicamente da edição de 2020. Dava assim resposta à decisão adotada pelo Conselho Reitor do Consórcio Patronato do Festival Internacional de Teatro de Mérida de dar continuidade ao contrato adjudicado à empresa {Pentación} S.A. para fazer possível a realização da edição de 2020 até à formalização dum novo.

No mês de setembro se decidiu alargar por um ano o contrato de gestão vigente com a produtora de Jesús Cimarro depois de/após que a Comissão Jurídica da Extremadura ordenasse voltar a tirar a licitação o concurso. A comissão adotou dita decisão depois de/após que dois empresas recorressem o folha do concurso ao entender que era «um trouxe a medida» para {Pentación} S.A.

As empresas recorreram aspetos pontuais dos folhas, como o referido à valorização da oferta em função da experiência prévia em organizar encontros teatrais de temática {grecolatina}. No referido à solvência económica e financeira, se valorizava o volume de negócio «de um festival de teatro clássico desenvolvido num recinto monumental».

As notícias mais...