Menú

El Periódico Extremadura | Quarta-Feira, 19 de septembro de 2018

Ano novo para o mercado

Os comerciantes já têm começado a desalojar suas lojas para a esperada reforma do imóvel, que sairá a licitação de forma iminente H O investimento se moverá entre os 2,5 e os três milhões

ROCÍO ENTONADO
02/01/2018

 

Nunca antes a reforma do mercado de {Calatrava} tinha estado tão perto. A ansiada reforma do imóvel leva décadas nas gavetas e parece que ao fim neste ano poderá ser uma realidade. A Câmara Municipal já chegou a um acordo com 12 dos 14 comerciantes que o ocupavam atualmente e o evacuação do imóvel começará hoje, depois de/após que nos últimos dias tenham fechado já as suas portas algumas das lojas. Outras fá-lo-ão de forma iminente, uma vez que terminem as festas natalícias.

O concurso para o projeto de obra, reabilitação e exploração do mercado sairá a licitação em breve, pois segundo explicou o presidente da Câmara Municipal, Antonio Rodríguez Osuna, os folhas já se têm mandado a publicitar ao Boletim Oficial da Província de Badajoz. Uma vez que se publiquem, as empresas terão 26 dias úteis para apresentar ofertas, de forma que a intenção é que a adjudicação se faça em Fevereiro ou Março. «Sim ou sim as obras vão a começar neste ano», afirma Osuna.

Em relação ao evacuação, tudo aponta a que será pacífico, muito mais que o dos quiosques da praça/vaga. O presidente da Câmara Municipal assinala que já se chegou a um acordo com 12 dos 14 comerciantes que desenvolviam sua atividade no mercado (aos 11 primeiros se lhes têm pagado {indeminizaciones} por valor de 207.339 euros ao todo) e relativamente aos dois que ficam, a intenção é assinar nos próximos dias, já que caso contrário seria necessário iniciar/dar início um procedimento administrativo. Um extremo ao que Osuna não acredita que seja necessário recorrer porque «a maioria já têm aceite e isso é um aval».

Os comerciantes já cessaram sua atividade o passado sábado, dia 30 (nalguns casos depois de/após mais de 20 anos), embora se lhes dará uns dias de cortesia em Janeiro para que procedam ao evacuação dos postos. Alguns fecharão de forma definitiva, mas outros já estão procurando locais alternativos em tanto/golo se executa a reforma, pois a Câmara Municipal lhes dará opção de estimativa e {retracto} para voltar a instalar-se ali quando o mercado volte a abrir as suas portas.

O investimento total para a adequação do prédio dependerá das ofertas que se apresentem, mas se moverá entre os 2,5 e os três milhões de euros. A intenção da Câmara Municipal é «fazer um lavado face integral ao prédio para que convide a entrar à pessoas». Atualmente a ocupação apenas rondava o 30% e o imóvel encontra-se em péssimas condições, pois a última reforma se levou a cabo em 1983.

As notícias mais...