El Periódico Extremadura | Terça-Feira, 16 de janeiro de 2018

Julgam a 5 acusados de roubar a um ancião em sua habitação

A vítima, de 75 anos, dormia quando lhe taparam a boca e lhe exigiram o dinheiro

F. L. 12/01/2018

O Tribunal do Penal 2 de Badajoz julgou ontem a cinco acusados de perpetrar um roubo com violência em casa habitada em San Vicente de Alcántara, o 18 de Julho de 2015, no domicílio de Miguel, um homem de 75 anos, que dormia quando três homens, segundo contou ontem na sala, o despertaram até as 3.00 horas e enquanto um lhe tapava a boca e lhe pedia que lhes dissesse onde tinha o dinheiro, outros dois remexiam gavetas e armários. O homem lhes disse que tinha o dinheiro numa caixa metálica debaixo de a cama, com a que fugiram os ladrões, com 450 euros em seu interior.

Dos cinco acusados, três são da localidade; A. E. M., a quem representa o advogado Manuel Villalón; D. B. e J. R., representados pelo letrado Fernando Cumbres; e outros dois de Málaga: P. S. e F. M., aos que levam advogados dessa cidade.

Após uma análise de pegadas e provas biológicas (ADN) no lugar do acontecimento, se identificou ao primeiro deles, um vizinho/morador de São Vicente, quem declarou que ele só/sozinho informou de que o homem tinha dinheiro e que o roubo o perpetraram outras pessoas. Com sua declaração se deteve a outros dois homens do povo/vila, e mais à frente, estes identificaram aos dois de Málaga.

Dos cinco, os três de São Vicente admitiram os factos/feitos nas suas declarações no juízo, enquanto os outros dois negaram ter participado nos mesmos, e inclusivamente, como assinalaram depois os advogados, que não encontravam-se em São Vicente nessas datas.

Assim, o fiscal solicitou que quatro deles, dois de São Vicente e os de Málaga, sejam condenados a 3 anos e 9 meses de prisão, e a pagar à vítima 450 euros pela quantidade/quantia roubada e 390 pelas lesões resignadas/sofridas, 840 ao todo, entre todos, o que supõe uma redução de sua petição/pedido inicial que era de 4 anos e 3 meses.

Do mesmo modo, para o vizinho/morador de São Vicente que só/sozinho informou aos demais, o fiscal pede 21 meses de cadeia como cúmplice do delito de roubo com violência em casa habitada. Seu defensor, Villalón, solicitou a absolvição e, alternadamente, a redução da pena num ou dois graus.

Cumbres solicitou para seus representados, dado que tinham reconhecido os factos/feitos, a atenuante muito qualificada de reparação do dano, a de colaboração e confissão, a pena de 1 ano e 3 meses para cada um.

Os de Málaga, a absolvição, por entender que não participaram nos factos/feitos.