El Periódico Extremadura | Sábado, 15 de dezembro de 2018

{Bouquet} D’{artifice}

Restaurante {Bouquet}, na praça/vaga Publio Hurtado, {nº} 1 de Cáceres

FERNANDO Valbuena 12/01/2018

Cáceres dorme a suas horas. Cáceres se esconde e reaparece. Cáceres pode ao tempo. Está feita de tempo, e sabe que lhe sobra. Cáceres {sestea} docemente. Se existissem céus, Cáceres andaria perto de eles. Primeiro segunda-feira depois de/após Reis, vai fechando o comércio, e Cáceres {sestea}.

Em Cáceres tudo tem sua própria acalma. Cáceres estava em acalma muito antes de que a acalma se chamasse acalma. E assim segue/continua, em acalma, de Cánovas a Pintores. O {Kiosko} Colón. O Gran Teatro. De Pintores à Praça Maior. Vou vendo. Pintores se vende. Meio te podes comprar a rua inteira. Se Vende. Se Aluga. Prédio em Venda. Se Aluga. ¿Que pensará Felipe II de tudo isto? Da Praça Maior a Pintores. ¿Madrid? ¿Valladolid? Felipe II seguro que, a estas horas, subtis, {ingrávidas} e gentis, passeia por Cáceres.

Tudo repleto de ofertas. Menu do dia, treze, quatorze, quinze... Especial, vinte e cinco. Ave de passagem… Vejo mais lojas para turistas que turistas,… será a hora. ¿Que cidade nos espera amanhã? ¿Qual é o {ágora} de hoje? ¿Os centros comerciais? As cidades mudam… {Taperías}, restaurantes… Imutável, a do Bujaco. Entre duas praças/vagas, escondido do turista, está {Bouquet}. Entre a Praça/vaga de As {Piñuelas} e a Praça/vaga Publio Hurtado. Recebem por entrar nos cinemas, nos touros e nos museus; deveriam receber por pisar as pedras que vão da uma à outra. Em acalma. Belíssimas. A mais anos, mais queima a {lujuria} da pedra. A porta de atrás do Câmara Municipal e a nada. Já lhes tenho dito que os sítios são, entre outras coisas, o sítio. {Bouquet} está onde tem que estar.

{Bouquet} tem ar moderno. {Puntito} sueco. Talvez a Felipe II, se se passasse por aqui, lhe gostassem os ares nórdicos. Tudo muito branco. Muito de hoje. É o que tem Cáceres, que o novo luz mais novo. Umas poucas meses, e ao fundo, num curva do sala de jantar, uma redonda, a {fetén}, com toalhas de tela para gentes de mais {copete}, altos cargos e {trapisondistas} vários. Da Câmara Municipal não vi a ninguém. Ninguém em geral. Já sabem, primeiro segunda-feira depois de/após… {Llego} precoce,… logo vai-se animando.

A cozinha de {Bouquet} tem certo ar naïf. Desprende ternura e detalhe. Pelo menos, no que {escogí}, não teve uma só nota {desafinada}. {France} {Gall}, {poupée} de {cier}, {poupée} de são…, ou se calhar {Lucienne} {Delyle}, sul lhes {quais} {du} {vieux} Paris… Em francês e em feminino. Não teve {impostura}, teve certo requinte adolescente. Comi delicadamente. ¿Se sabem o {antónimo} de {tosquedad}? Pois disso teve. Aroma a flores meninas. Quase infantil. ¿Quanto vale um detalhe em acalma?

De primeiro umas bolachas de {foie}. Algo simples, mas bonito. Com seu {florecita} e seu {salsita} de amêndoa amarga. Me gostou o sabor da {gotita} de molho de amêndoa amarga que tinha debaixo de cada bolacha. Como quem encontra um escorpião levantando uma pedra. Um {picadura} de sabor. Sobre/em relação a a bolacha de {foie} tinha outra {gotita}, agora azul, que não lembrança o que era, e um pétala de flor que era isso,… um pétala de flor. E tão contente/satisfeito. O segundo foi um {tataki} de atum. Algo simples mas magnífico, mais naïf ainda, uma paleta desbocada de cores nas molhos. E tão contente/satisfeito. Suponho que a experiência pôde ser muito diferente de ter pedido os {judiones} com perdiz e o cauda de touro; me {quedé} com a intriga de saber se tivessem sido capazes de {emplatarlos} com o mesmo esmero, cor e delicadeza. De sobremesa tomei, fruta não tinham, um lingote de rebuçado com {ganaché} de chocolate branco. Outro {pelotazo} de sabor, outra aquarela soberba. E tão contente/satisfeito. E em acalma. Praça/vaga Publio Hurtado, onde a história te vigia. Ao sair {tropecé} com Felipe II, que nunca dorme sestas, nos {saludamos} cerimoniosamente; já não soube se subir pela rua mais bela do mundo, procurando o adarve, ou descer e reunir-me com a cidade em acalma.