El Periódico Extremadura | Quinta-Feira, 23 de novembro de 2017

O Cacereño muda de mãos após comprar {IQ} Finanças suas ações

«Vai a estar tudo claro e limpo», diz o grupo mexicanismo, que mantém a confiança em {Rebollo}

JOSÉ MARÍA ORTIZ 13/09/2017

Nueve anos depois de/após que Antonio Martínez Doblas {recogiera} a testemunha de {Félix} Campo, o Cacereño muda de mãos. Nem um pacote de ações, nem nada parecido. No fim foi a maioria delas. O grupo empresarial mexicano {IQ} Finanças se fez cargo do decano do futebol extremenho. Assim o asseguraram ontem o próprio farmacêutico de Zafra e os representantes legais de {IQ}, o novo diretor desportivo, José Luis Tamargo; e o que exercerá de diretor-geral, Luis Jaime Puebla.

Numa comparência de 40 minutos que passará à história do decano do futebol extremenho, na qual não faltaram as apresentações de quatro novas contratações, todos eles desde o {Avilés}, deram-se todos os detalhes da operação, exceto o custo económico do transferência/trespasse/passagem. «Faz um tempo que vinha insistindo que me tinha que despedir do clube após nove anos de muita luta e briga. Chegou o momento. Fazem falta novas ilusões e que as pessoas siga/continue acreditando no novo projeto», abundou Martínez Doblas, quem foi repreendido por vários adeptos no fim, tal como os novos proprietários. Faltou o empresário chileno Álvaro López, quem numa mensagem em seu Facebook expressou que queria situar ao {CPC} na máxima categoria/escalão… e «na Europa».

«Tenho muita confiança neles», apontou também Doblas, quem não esqueceu às instituições, aos adeptos e à própria entidade pelos momentos «bons e maus» vividos em tudo este tempo. «{Seguiré} sendo do Cacereño e {vibraré} com seus golos e inclusivamente dando meu grãozinho de areia desde fora». «Não vou dar cifras. O clube muda de mãos e oxalá que para bem», disse o comovido protagonista. O seu pai, Antonio Martínez Buzo, deixará de ser presidente. {Borrón} e conta nova absoluto.

APOIO / «Sete anos na Segunda B é para estar satisfeito. O Cacereño é um clube muito grande. Agora temos de apoiar aos que entrem e que nos façam cresce», acrescentou Antonio Martínez Doblas perante os jornalistas.

Entretanto, Luis Jaime Puebla pediu participação. «Necessitamos ajuda», esperou «resposta» por parte dos adeptos em particular e a cidade em geral e augurou que vão a fazer «grandes coisas» nos próximos anos. «{Venimos} a fazer um Cacereño grande», apontou e que isso vai-se a ser feito «trabalhando» num clube de estrutura «semiprofissional» cujo objetivo vai ser chegar a a Liga de Futebol Profissional (Segunda Divisão) «em três anos» e que, antes, «num ou dois» se consiga antes o promoção à Segunda Divisão B.

«Não queremos fazer limpeza de nada. Ninguém tem o dom da verdade nem da razão», julgou Puebla quando foi perguntado/questionado sobre/em relação a a nova etapa que se apresenta no decano do futebol extremenho. «Cáceres se merece estas ilusões. {Venimos} a trabalhamos/trabalhámos e a respeitar. Aqui vai a estar tudo claro e tudo limpo», acrescentou o novo diretor-geral, quem insistiu na condição de «sérios» de {IQ} Finanças. «No {Avilés} se deram 500.000-600.000 euros», assegurou, uma cifra que ao já ex máximo acionista já lhe convencera.

SEM OBSCURANTISMO / «Não vamos a ocultar nada neste clube», enfatizou o novo diretor-geral do {CPC}, antes de dizer que desembarcam no Cacereño «num projeto de longo prazo», ao passo que, assegurou Puebla, «o passado é passado».

«{Venimos} com muita ilusão/motivação. {Aportaremos} o que possamos para fazer este clube um pouco/bocado maior. Trabalho, trabalho e trabalho», expôs entretanto José Luis Tamargo, exrepresentante de futebolistas de nível como David Villa. A modo de curiosidade, assumiu que também foi o agente do extremenho Juan Carlos Paniagua, exjogador de Moralo, Extremadura ou Cacereño que também jogasse em Primeira Divisão no {Compostela}.

Tamargo disse que o objetivo seria a fase de promoção, que se tinha a máxima confiança em José María Rebollo como {enternador} e que o pessoal, sobre/em relação a a que também tinha falado com o extreinador verde Adolfo Muñoz, «é bastante boa», embora se verá reforçada com quatro jogadores: os dianteiros Alex García e Quadros/Marcos Torres, o média/meia ponta Luismi e o defesa Alberto Delgado.

Todos eles procedem do {Avilés} e todos eles treinam já com Rebollo, disponíveis para o choque do próximo domingo perante o Arroyo de Javier Moreno (12.00 horas, Príncipe Felipe).