El Periódico Extremadura | Quinta-Feira, 23 de novembro de 2017

A policia municipal intensifica o controlo para acabar com botellones ilegais

Também se vigia a venda de bebidas alcoólicas a menores e aos adultos que se as comprem. No que vai de ano se têm posto 80 denúncias por consumir álcool fuera do lugar autorizado

B. C. lcb@elperiodico.com BADAJOZ 13/09/2017

A policia municipal tem intensificado a vigilância para impedir que se façam botellones fuera do único lugar no qual desde o 1 de setembro de 2016 está permitido em Badajoz, o recinto da feira de Caia. Na segunda-feira passada os agentes iniciaram estes controlos específicos para impedir o consumo de álcool na via pública coincidindo com o início do curso académico.

O primeiro dia já se denunciou a duas pessoas que estavam bebendo na praça/vaga de Santa María de la Cabeza e se dissuadiu a um grupo de jovens que se dispunham a fazer botellón neste mesmo espaço. Os esclarecimentos que deram os sancionados é que desconheciam que não se pudesse beber nestes lugares, por isso a policia municipal quis {recordar} ontem, especialmente aos estudantes que chegam novos à cidade, que se podem enfrentar a uma sanção de 300 euros se incumprem o regulamento.

O superintendente, Rubén Muñoz, explicou que estes controlos, embora se mantêm durante todo o ano, se multiplicam quando começam as classes nos institutos e a universidade, pois se tem detetado que em diferentes zonas da cidade «proliferam pequenos focos de botellón», que se querem erradicar desde o primeiro momento.

Estes controlos se levarão a cabo na alcáçova, no passeio Fluvial, na praça/vaga de Santa María de la Cabeza e zonas adjacentes, como a praça/vaga de Conquistadores, e o ambiente do estádio Novo Viveiro. Não obstante, não se descarta que de forma aleatória se realizem noutros pontos da cidade onde se recebam denúncias pela celebração de botellones ou a polícia suspeite que se possam estar produzindo.

VENDA A MENORES / A policia municipal não vigia unicamente que não se faça botellón onde não está permitido, mas esta campanha leva preparados controlos para evitar a venda de álcool a menores ou fuera do horário estabelecido (até as dez da noite), bem como que pessoas maiores/ancianidade de idade comprem as bebidas a aqueles que ainda não têm a idade para poder/conseguir adquirir-les. Destas funções se encarrega uma patrulha à paisana do Serviço de Informação Local e Cometidos Específicos ({Silyce}). Em todos os casos, aqueles que infrinjam a lei se enfrentam a sanções económicas de 30.000 euros.

No que vai de ano, segundo os dados facilitados pelo superintendente, se levantaram 80 atas denúncia por consumir bebidas alcoólicas em lugares não autorizados. A maioria dos infratores foram surpreendidos na alcáçova –sobretudo nos meses de Junho e Julho--, no parque de Porta do Pilar (conhecido como Os Canhões), na praça/vaga da Soledad, nos arredores do Novo Viveiro, junto aos locais do rio e na praça/vaga de Santa María de la Cabeza e ruas dos arredores. Muñoz assinalou que este número de denúncias em pouco/bocado mais de oito meses «não é muito significativa», apesar de o que não vai-se a descer a guarda para pôr couto aos botellones ilegais.

Durante o verão «apenas» houve botellones no recinto de Caia, mas com o início do curso a zona volta a encher-se as noites dos fins-de-semana. A policia municipal recordou ontem que, uma vez que se designou como único lugar autorizado para consumir álcool na via pública este localização, a Câmara Municipal habilitou uma linha de autocarros urbanos às quintas-feiras, sábados e vésperas de feriados, com saída desde a praça/vaga da Liberdade (traseira até ao da feira, que funciona em horário de onze da noite a quatro da madrugada.