El Periódico Extremadura | Sexta-Feira, 28 de fevereiro de 2020

Luis Oliver tranquiliza ao balneário do Extremadura e procura reforços

Conversou com o pessoal e Manuel Mosquera para transferir-los que o clube seguirá/continuará sem sofrer mudanças

RODRIGO MORÁN 14/01/2020

O Extremadura quer dar um final ao {cúmolo} de episódios e rumores que têm girado em torno da hipotética venda do clube durante o último mês e que tem distraído a atenção de adeptos, empregados, corpo treinador e até jogadores. Ontem, Luis Oliver Albesa, líder do grupo que se encarrega da parcela desportiva do clube e acionista ao 50% com o presidente Manuel Franganillo, esteve em Almendralejo para visitar à plantel/quadro nos balneários da cidade desportiva e outorgar-lhes a tranquilidade necessária face a os dois partidos que a equipa tem nesta semana perante {Girona} e Almería, quinta-feira e domingo, respetivamente.

Luis Oliver foi à cidade desportiva antes do treino matinal acompanhado do diretor desportivo, Daniel López Ramos, e do advogado e homem forte na parcela de marketing, Joaquín Zulategui. Após uma conversa de mais em média hora, saiu de balneários e atendeu aos meios com absoluta naturalidade: «{envíamos} uma mensagem de tranquilidade e normalidade a todos. Depois de/após tantos rumores de venda, vamos seguir tal e como estávamos. Nós na direção desportiva. Acreditamos que há muitas opções de salvar-nos. No passado ano estávamos a -5 pontos a estas alturas e agora estamos empatados a pontos com a salvação/manutenção. Faz falta um pouco/bocado de golo e tranquilidade», disse.

Luis Oliver deixou muito claro que não terá mudanças nem no conselho de administração da entidade nem no organigrama do clube, pelo que Manuel Franganillo seguirá/continuará de presidente, enquanto Luis Oliver Jr (filho) será vice-presidente e diretor da pedreira/formação.

Oliver explicou que o que aconteceu em Almendralejo no {útlimo} mês é algo normal/simples no mundo do futebol: «estes temas são muito surpreendentes quando saltam a imprensa, mas há muito movimento e dinheiro no futebol e temos de acostumar-nos a que há vezes que há grupos ou pessoas que quer comprar. Sim é certo que, quando chamam a minha porta, como é lógico não o conto a ninguém. Se fizeram filtrações que criaram certa incerteza, mas já passou».

O que tem claro Luis Oliver é que o clube tem que pôr-se as pilhas no mercado de inverno porque todos estes rumores têm {ralentizado} os movimentos do clube na parcela desportiva. «Acreditamos que com o avançado/ponta de lança que vamos a assinar e a recuperação de Alex López podemos levar-nos muitas alegrias, já que o que nos está faltando é um pouco/bocado de golo».

Tratou de não aprofundar sobre/em relação a o limite salarial, embora é sabido que o Extremadura, como a maioria dos clubes, estão muito atados para fazer reforços. «Se falo muito deste tema me {meto} em confusões», dizia Oliver, quem acrescentava que «aos pobres sempre nos aborrecem».

Aligeirar plantel/quadro / Os planos do Extremadura neste mercado de inverno passam por recortar ligeiramente o pessoal, pelo que terá mais saídas que bilhetes. Neste sentido, o clube poderia esperar ao jogo/partido do {Girona} para comunicar as baixas, embora já procura possíveis cessões a jogadores com menos minutos como Carlos Valverde, {Josema} ou o guarda-redes {Louis} {Yamagouchi}.

No capítulo de reforços, os planos passam pelas cessões, segundo apontou o diretor desportivo Daniel López Ramos, já que não terá outro margem de manobra mais no mercado. «Normalmente se mudam cromos porque todas as equipas estamos igual, mas sim é certo que uns jogadores que parecem que não têm rendido num plantel/elenco, logo o fazem noutros, como nos aconteceu a nós o ano passado».

A prioridade do Extremadura no mercado centra-se num ou dois dianteiros. Têm soado nomes como os de David Querol (do Cádiz) ou {Asier} {Villalibre} (do Athletic), mas ainda não há movimento em firme/assine. O Extremadura também veria com bons olhos reforçar a posição de extremo e uma das posições de volante do centro do campo.