El Periódico Extremadura | Sexta-Feira, 28 de fevereiro de 2020

Científicos/cientistas anunciam os primeiros robôs biológicos com células animais

VALENTINA RAFFIO 14/01/2020

A história que lerão seguidamente não é nem sobre/em relação a robôs nem sobre/em relação a a manipulação de formas de vida em etapas incipientes. Também não é sobre/em relação a a génese da vida artificial. É algo mais complicado que tudo isto. Trata-se de a criação de um novo tipo de máquinas viventes. Uma vez lançada uma advertência sobre/em relação a a complexidade deste conquista, aí vai a notícia. Uma equipa de investigadores tem anunciado a criação de umas minúsculas «máquinas completamente biológicas», de apenas um milímetro de tamanho, a partir de células embrionárias de rã. Isto é, desde/a partir de zero. «Trata-se de um novo tipo de artefacto: um organismo vivo e {programable}», matiza/precisa {Joshua} {Bongard}, um dos investigadores responsáveis desta criação.

Estamos, portanto, diante da primeira vez que se cria/acredite um organismo artificial (ou robô, para que nos {entendamos}) a partir só/sozinho de células vidas e {reprogramadas}. Mas isso não é tudo. O conquista, publicado este mesmo segunda-feira na revesta cientista {PNAS}, também responde a uma das grandes perguntas da biologia. Como as células cooperam para construir corpos funcionais e de que maneira podemos intervir neste processo para construir a nosso antojo um organismo que exerça uma função específica. Trata-se, portanto, de um passo decisivo no tentativa de controlar as normas do jogo da biologia.

Daí que a comunidade cientista acolha com emoção este novo êxito. {Ricard} {Solé} e {Núria} {Montserrat}, peritos independentes consultados por este diário/jornal, coincidem em assinalar que este conquista marca um antes e um depois nas investigações sobre/em relação a máquinas viventes. «É uma prova de conceito/ponto muito importante e entendo o entusiasmo, mas ainda fica um longo/comprido caminho por percorrer antes de que possamos medir suas possíveis aplicações», estima {Solé}, investigador {Icrea}.