Menú

El Periódico Extremadura | Sexta-Feira, 28 de fevereiro de 2020

Um tribunal cacerenho estima integramente a procura contra o cartel de camiões

O sobrecusto quantificado pelo juiz é do 16,35%

REDACCIÓN CÁCERES
14/02/2020

 

O Tribunal de Primeira Minuta e Instrução número 1 de Cáceres tem ditado uma sentença que estima integramente a procura contra o cártel de fabricantes de camiões, e dá validade ao informe pericial apresentado. O sobrecusto quantificado pelo juiz é do 16,35% do preço de compra de cada camião.

Este processo legal tem sua origem em 2016 quando a Comissão Europeia anunciou a imposição duma multa de mais de 3.800 milhões de euros aos seis principais fabricantes de camiões DAF, Daimler-Mercedes, Iveco, Renault-Volvo, Scania e MAN —se bem este último se acolheu ao programa de clemência e ficou excluído da multa— por, entre outras questões, ter pactuado os preços de venda dos camiões entre os anos 1997 e 2011.

Segundo informou CCS Advogados, gabinete que levou este caso, este erro vai em linha com outra sentença anterior, de 30 de Dezembro de 2019, ditada pelo Tribunal do Mercantil número 3 de Valência, que também estimou integramente a procura e deu validade ao relatório pericial. «O chamado cártel dos fabricantes de camiões é um dos assuntos mais importantes do atual panorama judicial espanhol pelo elevado número de reclamações que se têm promovido», se indica. Faz agora um ano, CCS Advogados começou a tramitar na Extremadura 177 procuras que implicam a 462 camiões. A nível nacional gere 7.300 reclamações de 4.500 clientes,

A sentença ditada pelo Tribunal de Cáceres com data seis de Fevereiro, faz referência ao relatório pericial nos seguintes termos: «O último elemento, isto é, o dano e sua acreditação, está igualmente demonstrado pela parte actora. Para isso se vale do informe pericial dado com a procura, onde se explica e justifica este dano partindo da comparação do mercado de camiões medianos e pesados (afetados pelo {cártel}) com o dos camiões ligeiros». Se bem, se admite, «não são produtos perfeitamente substituidores entre sim, mas concorrem as suficientes semelanças (se vendem nos mesmos lugares, um comprador pode optar entre um camião ligeiro ou mediano em muitos dos casos, etc.) como para considerar tratar-se de produtos e mercados semelhantes, o que valida o método comparativo a partir do qual o informe pericial da parte actora calcula o dano».

As notícias mais...