+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Um imposto a grandes proprietários

 

16/02/2020

A medida mais chamativa e polémica que inclui a Lei de Promoção e Acesso à Habitação é a criação de um imposto aos grandes proprietários com imóveis vazios, fruto da negociação do PSOE com Podemos para que o texto finalmente pudesse sair adiante. A norma dava à Junta um prazo de 18 meses para a posta em marcha deste tributo (deveria entrar em vigor em Novembro deste ano) e em nenhum momento o Governo duvidou de sua legalidade, de forma que o mesmo se mantém nos mesmos termos que já estava recolhido na lei.

Inicialmente ia a incluir um artigo proposto por Podemos par que se aplicasse um imposto aos proprietários de habitações/casas/vivendas vazias que estivessem mais de dois anos sem ocupar. Estabeleceram mesmo a tarifa (de 10 a 30 euros por metro quadrado {descupado}), mas finalmente a formação {morada} aceitou uma emenda dos socialistas que estabelecia que num prazo de ano e meio desde/a partir de a aprovação da lei (Maio de 2019), a Junta devia elaborar um regulamento para a criação duma taxa aos «grandes garfos de habitações/casas/vivendas».

Por enquanto não existe rascunho/esboço/minuta publicado para este tributo e o Governo regional também não tem especificado nada mais sobre/em relação a a quem afetará, embora sim se sabe que não se veriam incluídos proprietários de dois habitações/casas/vivendas sendo a primeira a residência habitual e a segunda uma casa ensino secundário sem usar nem alugar durante mais de dois anos.

Como se recordará, a Lei de Promoção e Acesso à Habitação vinho a substituir à Lei de Emergência Social da Habitação, que sim foi recorrida perante o Tribunal Constitucional, entre outros pontos pela expropriação temporal de habitações/casas/vivendas aos bancos ou as multas por possuir imóveis vazios. Por isso, a Junta decidiu paralisar seu desenvolvimento em 2017 e elaborar outro texto que entrasse dentro dos quadros/Marcos legais. Este, que se aprovou em finais de a passada legislatura, contou com a abstenção de Podemos e Ciudadanos e o voto contra do PP.