Menú

El Periódico Extremadura | Segunda-Feira, 25 de junho de 2018

Sim ao pagamento da carreira profissional


13/01/2018

 

A Junta e os sindicatos CSIF, UGT e CCOO também abordaram em sua reunião de ontem a necessidade de pagar a carreira profissional e negociar um calendário para tirar a oposição/concurso público as mais de 4.000 praças/vagas extraordinárias com as que se quer reduzir a alta temporalidade no sector público extremenho, que passaria de 21% atual a 8%.

Em relação à carreira profissional, o presidente de CSIF, Benito Román, explicou que as exigências dos sindicatos passam por que se comecem a pagar os níveis 2, 3 e 4; que se «desbloqueie» em Saúde e se comece a pagar aos 1.400 interinos que têm direito por acumular mais de cinco anos de serviço, algo ao que a Junta estaria disposta a partir do ano próximo. Atualmente, são 11.772 os funcionários da Administração Geral que estão percebendo/recebendo o nível 1 deste complemento salarial. Em Saúde sim se está reconhecendo em todos os seus níveis, mas não se paga às novas incorporações desde há anos.

Em Educação este complemento não está reconhecido (os docentes recebem {sexenios}) e por isso desde CSIF pediram à conselheira de Educação e Emprego, Esther Gutiérrez, que «seja valente» e se comece a negociar também a carreira profissional para este coletivo, o que converteria a Extremadura numa das primeiras comunidades em dar início a medida.

Por seu lado, em relação à oferta extraordinária de praças/vagas, o objetivo que se persegue é reduzir as altas taxas de temporalidade que suporta o sector público extremenho. O responsável do Sector Autonómico de CCOO, Guillermo Barroso, recordou que seriam umas 4.100 praças/vagas as que a Junta estaria em condições de oferecer (2.409 em Saúde, 927 em educação e 770 em Administração Geral) para reduzir essa temporalidade de 21% atual a 8%. «Estamos trabalhando nos três sectores para ver como se fará, mas o ideal seria chegar a um acordo e estabelecer um calendário também no primeiro trimestre do ano», afirmou Barroso.

As notícias mais...