+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

A segunda oferta de teleestreitamente da Junta deixa um 21% de vagas

Se apresentaram 301 pedidos/solicitações para os 380 postos que se ofereciam neste ano. Só/sozinho as conselherias de Cultura, Finanças e Presidência têm mais petições/pedidos que praças/vagas

 

Trabalhadores da administração pública em seus postos numa imagem de arquivo. - EL PERIÓDICO

R. CANTERO region@extremadura.elperiodico.com CÁCERES
14/01/2020

A modalidade de estreitamente à distância vai avançando na administração embora por enquanto o faz muito lentamente e com dados que o que evidenciam, por agora, é que a oferta disponível supera à procura real, pelo menos tal como está desenhado o modelo de teleestreitamente na administração autonómica. As 380 praças/vagas oferecidas neste ano contam com um 20,7% de vagas porque só/sozinho se registaram 301 pedidos/solicitações para neste ano. Os dados desta segunda convocatória são melhores que os do ano passado, quando se estreou este modelo de estreitamente (teve 271 pedidos/solicitações para 382 praças/vagas) mas ainda há uma percentagem elevado de praças/vagas que não contam com candidatos, segundo os dados da Conselheria de Finanças e Administrações Públicas.

A situação é bastante díspar entre umas conselherias e outras, mas só/sozinho em três delas o número de pedidos/solicitações supera às praças/vagas oferecidas. É o caso da Conselheria de Finanças e Administrações Públicas, que contava com 100 praças/vagas para as que se apresentaram 117 candidatos; a de Presidência, que propunha 5 praças/vagas de teleestreitamente que receberam 6 pedidos/solicitações; ou a de Cultura, Turismo e Desportos, que tinha 15 postos para teleestreitamente para os que se apresentaram 22 pessoas.

7 CONSELHERIAS NÃO COBREM/ No extremo oposto, a conselheria de Agricultura, Desenvolvimento Rural, População e Território, que oferecia 85 praças/vagas para as que recebeu 35 pedidos/solicitações (-50). Também não poderão cobrir-se todas as praças/vagas que se ofereciam nesta convocatória de teleestreitamente nas conselherias de Saúde e Serviços Sociais (59 pedidos/solicitações para 65 postos), Educação e Emprego (41 para 68), Economia, Ciência e Agenda Digital (11 para 16), Mobilidade, Transporte e Habitação (4 para 10), Igualdade e {Portavocía} (1 para 6) e Transição Ecológica e Sustentabilidade (6 para 10).

A experiência do ano passado foi boa, os trabalhadores que se acolheram ao teleestreitamente estavam contentes em geral e também as conselherias, segundo valorizam desde/a partir de os sindicatos, que reconhecem que há «limitações» que não estão contribuindo a que esta modalidade de estreitamente funcione.

«Se chama teleestreitamente, mas não o é realmente porque os empregados que se acolhem na verdade só/sozinho trabalham desde/a partir de casa três dias», aponta Juan José Samino, de CSIF. Isso supõe que há dois dias da semana que têm que ir a seu posto, o que no entender de Samino «lhe diminui atrativo» à modalidade de estreitamente à distância. «Na última comissão de seguimento (uma mesa de estreitamente com os sindicatos para avaliar o desenvolvimento desta iniciativa) pedimos também que a administração se faça cargo da infraestrutura como o computador ou a conexão a internet, que agora depende dos trabalhadores», assinala sobre/em relação a algumas das questões que poderiam melhorar-se para próximas edições.

CONCILIAÇÃO / «Se o objetivo do teleestreitamente é melhorar a conciliação, não tem nenhum sentido que os trabalhadores que o solicitam só/sozinho possam acolher-se durante um ano e não possam alargarlo de forma automática», lamenta Mari Ángeles Rodríguez, de UGT. De facto, segundo explica, os trabalhadores que acederam ao teleestreitamente na primeira convocatória terminaram no passado mês de setembro e tiveram que incorporar-se a seus postos pelo atraso da nova convocatória após as eleições e a distribuição do novo organigrama da Junta de Extremadura.

Para CCOO além disso «seria conveniente que se flexibilizassem os critérios para poder/conseguir aceder aos postos de teleestreitamente», segundo José Sánchez, delegado sindical em Mérida. Se refere especialmente às limitações para as pessoas que têm exercido já é direito na convocatória anterior: «porque se cumpre com as condições não tem nenhum sentido que não possa continuar exercendo esse direito», sustenta.

A Junta tem reduzido levemente as praças/vagas oferecidas nesta segunda convocatória de teleestreitamente. No primeiro ano foram 382, embora finalmente só/sozinho se materializaram depois 87 postos que obtiveram a autorização dos responsáveis dessas áreas. Nessa fase encontram-se agora os pedidos apresentadas na nova oferta.