Menú

El Periódico Extremadura | Sexta-Feira, 3 de abril de 2020

O sector agrário poderá aproveitar a tecnologia aeroespacial e {satelital}

Em França e Portugal se estudam iniciativas inovadoras similares

REDACCIÓN
12/03/2020

 

O Parque Científico y Tecnológico de Extremadura ({FUNDECYT}), dependente da Conselheria de Economia e a Universidad de Extremadura (Uex), apresentou ontem o ‘{HUB} {NOVExport}’ para a transferência de tecnologia aeroespacial ao sector agroalimentar. A iniciativa tem tido lugar numa sessão que permitiu explorar oportunidades de transferência de tecnologia entre o sector aeroespacial e a agrotecnologia como passo prévio à internacionalização destas soluções.

O secretário-geral de Ciência, Tecnologia, Inovação e Universidade, Jesús Alonso, destacou que este novo {HUB} ({nodo} de ligação) permitirá ao sector agroalimentar da região aproveitar tecnologias {satelitales} e digitais em auge graças ao {Interreg} {SUDOE} ‘{NOVexport}’, um projeto europeu no qual {FUNDECYT}-{PCTEx} participa junto a seis entidades de França, Espanha e Portugal. Alonso inaugurou esta apresentação que tem tido lugar na sede do Parque Científico y Tecnológico de Extremadura em Badajoz, na qual assinalou que o ‘{HUB} {NOVExport}’ sinta/senta as bases para a criação duma comunidade na Extremadura «que aproveite as oportunidades de negócio em torno da utilização de tecnologias aeroespaciais e digitais», informa Efe.

Ao evento assistiram investigadores, empresas tecnológicas e aquelas com flexibilidade inovadora suficiente como para gerar novos produtos. Junto ao extremenho, se criarão outros cinco {hubs} de inovação e exportação: dois em França ({Montpellier} e País Basco Francês) dois em Espanha (Bilbao e Madrid), e um em Portugal ({Coimbra}). O objetivo destes centros é desenvolver um ambiente favorável para a maturação dos projetos empresariais e fomentar um foque de co-criação.

As notícias mais...