+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Procura e regulação, as chaves do crescimento para as empresas

A disponibilidade de financiamento, o terceiro fator que acreditam mais influente. Custos judiciais ou falta de equipamento, entre os que se lhes dá menos importância

 

Um trabalhador no interior duma escritório. - EL PERIÓDICO

REDACCIÓN epextremadura@elperiodico.com CÁCERES
10/03/2020

Os componentes do ambiente empresarial de maior/velho importância para os gestores empresariais da Extremadura no ano 2019 foram a procura de seus produtos (o 44,6% das respostas com uma importância alta), e a regulação económica e disponibilidade de financiamento, em ambos casos com um 32,2%. Em Espanha estes fatores foram a procura de seus produtos (o 50,9% das respostas com uma importância alta), o ambiente macroeconómico (39,1%) e a regulação económica (36,9%).

Pelo contrário, fatores como os custos judiciais (o 40,6% das respostas na categoria/escalão baixa), a insuficiência de equipamento (26,2%) e os custos {input} (28,7%) foram considerados de escassa importância na capacidade de crescimento dos negócios extremenhos, segundo informou ontem o Instituto/liceu de Estatística da Extremadura ({IEEx}) numa nota.

A nível nacional os fatores de baixa importância foram custos judiciais (o 43,5% das respostas na categoria/escalão baixa), a insuficiência de equipamento (28,6%) e as infraestruturas (24,1%). O ambiente económico (o 33,7% de respostas desfavoráveis), a regulação económica (32,7%) e a fiscalidade (28,2%) foram os componentes cuja evolução teve uma repercussão mais desfavorável nos negócios na Extremadura.

Pelo contrário, a disponibilidade de financiamento (8,4% de respostas favoráveis), a procura de seus produtos (7,9%), as infraestruturas (5,9%) e a adequação de capital humano (5,9%) apresentaram os maiores/ancianidade impactos favoráveis.

Quanto à perceção da evolução dos recursos dedicados à resolução de trâmites com as administrações, o 15,3% assinalou um aumento nos recursos dedicados a resolver trâmites na administração estatal, percentagem que se incrementou ao 14,4 % no caso da local e ao 19,3 % na autonómica.

Pelo contrário, o 10,4 % dos inquiridos observaram uma diminuição dos recursos dedicados a resolver os trâmites com a administração local, o 9,9% com a autonómica e o 8,9% com a estatal.