Menú

El Periódico Extremadura | Terça-Feira, 11 de dezembro de 2018

O PP qualifica a {Gisvesa} como a «agência de colocação do PSOE»

Questionam as perdas de 850.000 {€} do último ano, um 330% mais que no 2016. Denunciam que das 41 encomendas, 19 foram a pessoas «vinculadas» ao jogo/partido

AGENCIAS
11/01/2018

 

O PP da Extremadura alertou ontem do «{enchufismo} socialista» que no seu entender se está produzindo na empresa pública encarregada da gestão das infraestruturas do chão e habitação na Extremadura, {Gisvesa}, na qual durante o 2016 e 2017 se têm contratado a 19 «excargos» e «{amiguetes}» socialistas. O porta-voz de Habitação do Grupo Parlamentar do PP, José Ángel Sánchez Juliá, apelidou de «agência de colocação do PSOE» à empresa inscrita à Junta, e presumiu de «trazer à luz do dia um {mangoneo} socialista, uma informação muito comprometedora para a Junta e o PSOE», assinalou numa conferência de imprensa segundo recolhe/expressa Efe.

O deputado autonómico relatou que das 41 encomendas de gestão realizadas entre os dois últimos anos, 19 correspondem a pessoas com «claras» vinculações com o PSOE extremenho, e deu um lista com os nomes dessas 19 pessoas. «Agora se entendem o porquê do obscurantismo» da Conselheria de Saúde e Políticas Sociais na hora de dar informação», assinalou Sánchez Juliá.

Nessa relação de nomes figuram o exdeputado regional do PSOE Francisco Saavedra, a ex-presidente de Câmara de Valverde del Fresno e irmã da exconselheira Eva Pérez, Ana Isabel Pérez; a número dois da lista do PSOE para o Senado em 2011, {Marta} Gutiérrez, e vereadores socialistas de Talayuela, Badajoz, Zorita e Cáceres, entre outras pessoas. O deputado do PP considerou além disso que este lista de 19 pessoas se pode «alargar», já que nestes momentos estão a estudar «possíveis relações familiares de mais pessoas contratadas» na empresa, recolhe/expressa Europa Press.

«O que conta é ter o cartão do PSOE», lamentou o deputado, quem recordou que os processos de seleção devem ser submetidos a critérios de «igualdade, capacidade e mérito», e não a cartões.

O porta-voz de Habitação do Grupo Parlamentar do PP assinalou na sua intervenção a Guillermo Fernández Vara, por «{estár} consentindo que seu Governo engane ao parlamento autonómico. «Não é alheio a estas contratações», assegurou Sánchez Juliá.

perdas de 850.000 euros/ Além disso, o deputado popular apontou à situação de «prática falência» de {Gisvesa}, que fechou o exercício económico do ano passado com 850.000 euros de perdas, «um 330% mais» que em 2016.

Por isso criticou que o Grupo Parlamentar Socialista tenha apresentado uma emenda parcial ao projeto de orçamentos de 2018 dirigido à aquisição de participações e ações no sector público por valor de 1,6 milhões. Uma cifra que, no seu entender, «se ajusta» à soma dos 850.000 euros de perdas citadas anteriormente e a previsão de 750.000 euros para 2018 em matéria de gestão de pessoal.

«¿O Grupo Parlamentar Podemos conhece isto?», perguntou {do} Sánchez Juliá, quem, além disso, elevou a questão de se a formação {morada} apoiará esta emenda socialista, bem como o Pacto Orçamental.

As notícias mais...