Menú

El Periódico Extremadura | Domingo, 8 de dezembro de 2019

Os médicos de Atenção Primária poderão passar consultas à tarde este natal

Já funcionou em verão com bons resultados: quase 12.000 pacientes em 552 consultas vespertinas. O SES oferecerá esta possibilidade aos centros com problemas de pessoal e negociará sua continuidade

G. MORAL
02/12/2019

 

O balanço durante os meses de verão foi «muito positivo» e por isso voltarão as consultas de tarde à Atenção Primária este natal. O Servicio Extremeño de Salud (SES) quer permitir aos profissionais sanitários que possam passar consultas em jornadas vespertinas durante as festas natalícias. O objetivo é o mesmo que no passado verão, evitar a acumulação de estreitamente dos médicos de família quando não há substitutos para cobrir vagas ou os descansos dos profissionais e melhorar, assim, a atenção sanitária à população. «Temos uma ferramenta que já temos já que funciona, pois vamos a usá-la», assinala a este diário/jornal o diretor gerente do SES, Ceciliano Franco.

E assim se o vai a apresentar nos próximos dias aos representantes sindicais da Mesa Sectorial de Saúde (CSIF, UGT, CCOO, {Simex}, {Satse} e {USAE}). «Queremos conhecer suas opiniões e ver que contribuições fazem», assegura.

De facto, ao SES gostaria de ir ainda mais além. Se apresenta mesmo que esta fórmula se possa aplicar durante o resto do ano sem necessidade de que sejam períodos feriados ou de férias, mas de forma regulada e pontual. «A proposta é que se mantenha no tempo quando seja necessário, mas temos de ter claro quando temos de utilizá-lo porque é uma ferramenta que pode {pervertir} o sistema, por isso se necessita controlo». O objetivo, resume, «não é montar atividade a procura, mas só/sozinho quando seja realmente necessário», aponta o gerente do SES. A decisão final se tomará depois de/após acordá-lo com os representantes sindicais. «Queremos que tenha consenso, não que seja uma imposição», insiste.

os dados do verão / Nesse mesmo encontro de estreitamente com os sindicatos, que em princípio se produzirá después do ponte/feriado de Dezembro, o SES também exporá os dados detalhados sobre/em relação a as consultas de tarde que se têm realizado durante o verão. Segundo adianta a administração sanitária, entre o 1 de Julho e o 30 de setembro se têm atendido a perto de 12.000 pacientes num total de 552 consultas de Atenção Primária vespertinas. Isto supõe que em média cada tarde de atividade passaram por consulta 21 pacientes.

Obrigada/obrigado participaram nesta atividade vespertina 33 equipas de Atenção Primária e 184 profissionais sanitários em sete áreas de saúde, todas exceto da de Coria –bem porque não se tenha oferecido a possibilidade ou porque nos centros nos que sim se lhes permitiu nenhum profissional tem optado por esta via–.

A área de Zafra-Llerena é o que mais tem usado esta fórmula, já que durante o verão se realizaram um total de 238 consultas de tarde nas que se emprestou assistência sanitária a mais de 4.700 pacientes. Lhe seguem/continuam a área de Dom Benito-Villanueva de la Serena onde se atendeu a algo mais de 3.000 usuários em 87 consultas vespertinas e a de Badajoz com 2.430 usuários atendidos em 103 consultas realizadas pelas tardes. As zonas de saúde nas que menos se empregou este recurso foram as de Navalmoral de la Mata com 711 pacientes em 40 consultas; e a de Plasencia: em 47 jornadas de tarde atenderam a 792 usuários.

BALANÇO «POSITIVO» / «Foi uma experiência altamente positiva», valoriza Ceciliano Franco. Segundo explica, por um lado se tem melhoria a assistência em povos/povoações onde antes se tinham que acumular dois e três consultas num só/sozinho ato, «o que tem suposto uma melhoria na assistência sanitária porque os pacientes têm podido ser atendidos sem aglomerações»; e por outro lado, também tem tido benefícios para os profissionais porque «trabalharam mais horas mas mais tranquilos». «Acreditamos que se tem acalmado muito a angustia geral do que supõe a organização da assistência sanitária em verão, tanto/golo no caso dos profissionais como dos pacientes», conclui.

Temos de {recordar} que a instrução do SES só/sozinho contempla esta possibilidade de prolongar a jornada laboral nos centros de saúde e consultórios que tenham mais de um 33% de ausências de profissionais médicos, sempre que não seja para quota/coube própria e se aplica de forma voluntária, isto é, só/sozinho entre os profissionais que queiram. Essas jornadas vespertinas se remuneram com uns 200 euros, o que supõe que durante os três meses de verão tem tido um custo superior aos 110.000 euros para a administração.

As notícias mais...