Menú

El Periódico Extremadura | Quinta-Feira, 21 de septembro de 2017

CSIF denúncia que a concertação social foi «uma tolice»

Pede ao presidente da Junta que conte com todos os sindicatos

EFE BADAJOZ
12/09/2017

 

O sindicato CSIF riscou ontem de «tolice» a concertação social que até agora levou a cabo o presidente do Executivo regional, a quem pediu que conte com todos os sindicatos representativos na comunidade. O presidente autonómico de CSIF, Benito Román, que junto ao máximo responsável do sindicato a nível nacional, Miguel Borra, avançou as reivindicações do sindicato para o curso político, pediu à Junta que «ouça todas as vozes e sobretudo as de organizações com uma representatividade significativa». Assim, insistiu a Fernández Vara a que convoque uma concertação social real, onde «participem todos e não só/sozinho uns quantos».

O representante sindical reclamou que se tome exemplo da Junta de Andalucía, que tem em conta a todos os sindicatos representativos na hora de abordar as reivindicações dessa comunidade quanto à lei de financiamento. Segundo disse Román, esta reivindicação, junto à restituição «real» das condições laborais e económicas de todos os empregados públicos extremenhos, são os dois grandes objetivos de CSIF Extremadura para o curso político sindical que agora começa. Um dos aspetos fundamentais será a negociação da flexibilização de jornada dentro do regresso às 35 horas semanais, para o que há convocada uma mesa sectorial de Função Pública para alcançar um acordo, hoje já «muito avançado». O sindicato pediu, não obstante, que o acordo se estenda a todos os empregados públicos e, portanto, que também chegue à Saúde e à Educação, âmbitos onde ainda não houve reuniões para ser feito a flexibilização da jornada.

Outro aspeto fundamental para CSIF é a descongelação da carreira profissional, pois os indicadores económicos «expressam que a evolução da economia é favorável» na Extremadura e, portanto, se deve dar este passo nos sectores que a têm incluída, e incorporá-la naqueles onde hoje não existe. O sindicato também mostrou-se preocupado pela elevada taxa de temporalidade e assinalou que é momento de aplicar o acordo assinado pelas três organizações presentes na Mesa Central de Negociação a nível nacional com o Governo central para reduzir essa taxa de interinidade.

As notícias mais...