+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

A associação contra o ruído pede aos câmaras municipais que se cumpra a lei

Aos de Badajoz, Plasencia, Cáceres, Mérida, Don Benito e Almendralejo. Solicita que se vigie e sancione quando se superem os decibeis máximos

 

Uma rua com vários estabelecimentos com terraço em Badajoz. - ANDRÉS RODRÍGUEZ

REDACCIÓN epextremadura@elperiodico.com BADAJOZ
14/01/2020

La Asociación contra el {Ruido} de Extremadura registró ayer escritos en los ayuntamientos de Badajoz, Plasencia, Cáceres, Mérida, Don Benito e Almendralejo para que estes façam cumprir aos estabelecimentos o estipulado na Lei de Espetáculos Públicos e Atividades Recriativas no relativo ao ruído ou aos veladores. O presidente da associação, José María Iglesias, apontou que o objetivo é instar a estes câmaras municipais a que «se cumpra a lei autonómica» aprovada o ano passado, bem como a norma nacional sobre/em relação a ruído, pois em muitos casos os municípios são ainda «muito flexíveis», informa EFE.

La associação pede, por exemplo, que se vigie e sancione aos estabelecimentos que superem os decibeis máximos permitidos ou aos veladores que continuem sua atividade mais além do horário diário/jornal permitido (as 23.00 horas, embora o coletivo entende que este tope poderia aumentar-se numa hora em verão).

La associação recorda que o regulamento autonómica obriga a que os estabelecimentos reúnam diversas condições necessárias de segurança, salubridade, sanitárias, de higiene ou de acessibilidade, entre as que se encontram as relativas às condições acústicas.

ANTES DO 9 DE ABRIL / Todos os estabelecimentos públicos de lazer deverão cumprir com todos estes requisitos e condições antes do próximo 9 de Abril para poder/conseguir ter nova licença de atividade, como recordou Iglesias. Graças à lei autonómica se incluirá além disso um registo, gratuito para todas as pessoas que queiram consultá-lo, onde se incluirão os estabelecimentos que contam com estas licenças, o que até agora «era muito difícil que se desse por parte das câmaras municipais».

Neste sentido, as autorizações das terraços de veladores para 2020 serão temporárias até que o estabelecimento público tenha a nova licença de atividade, e em caso de que não a obtenha antes do próximo 9 de Abril, a autorização da terraço será nula e «se terá que retirar do espaço público».

Quanto aos veladores as mesas deverão ter também uma distância mínima de 1,8 metros em relação às fachadas, para não interromper o trânsito cidadão, e os proprietários deverão contar com um convicto de responsabilidade civil, entre outros, como manifestou.