Menú

El Periódico Extremadura | Segunda-Feira, 25 de junho de 2018

A Assembleia reivindica o lembrança dos desaparecidos extremenhos

Entre eles estão Manuela Chavero, de Monesterio, e Francisca Cadenas, de Hornachos. Ontem se guardou um minuto de silêncio face às portas da câmara regional

REDACCIÓN epextremadura@elperiodico.com CÁCERES
10/01/2018

 

A presidenta da Asamblea de Extremadura, Branca Martín, assegurou ontem, sobre/em relação a as pessoas desaparecidas na região, que seguem/continuam as investigações policiais e que o aparecimento do cadáver de Alvo {Quer} «toma especial relevância» pelo facto de que os casos de duas extremenhas sigam/continuem sem esclarecer-se ainda.

As portas da câmara autonómica acolheram ontem um minuto de silêncio em lembrança das três pessoas desaparecidas na região, um ato no qual participaram familiares, deputados dos quatro grupos parlamentares e a porta-voz da Junta e Relações Institucionais, Isabel Gil Rosiña, entre outros. Martín precisou após o ato que o 9 de Outubro de 2017 a câmara recebeu a visita da família de Francisca Cadenas Márquez, desaparecida em Hornachos (Badajoz) o 9 de Maio desse ano à idade de 59 anos, e dos de Benito Calvo, de La Coronada. A outra mulher desaparecida é Manuela Chavero Valiente, que com 42 anos, não se sabe nada dela desde o 8 de Julho de 2016.

OS NOVE DE CADA MÊS / Martín explicou que na reunião na Assembleia do passado dia 9 de Outubro esteve presente o presidente da Fundação Europeia pelas Pessoas Desaparecidas {QSDglobal}, Francisco Lobatón, e que se decidiu que os dias 9 de cada mês celebrar-se-á em Mérida esse minuto silêncio simbólico tal como no resto do país. «Temos de reivindicar e manter vivo o facto/feito de que há pessoas desaparecidas na região e que o objetivo é que apareçam», assinalou Martín, que acrescentou que se mantêm as investigações por parte das forças e corpos de segurança do Estado.

A presidenta da Assembleia salientou que neste ano coincidiu o ato extremenho com o aparecimento do cadáver da jovem madrilena Alvo {Quer} em {Rianxo} (A Corunha), o que «toma especial relevância» em que os casos de mulheres extremenhas sigam/continuem sem esclarecer-se e de que as famílias seguem/continuam com a esperança de que apareçam.

Também, e a perguntas dos meios sobre/em relação a o caso de Benito Calvo, Martín enfatizou que o mesmo é «{peculiar}», já que num momento determinado foi visto em {Sevilla} e depois não se voltou a saber dele.

As notícias mais...