+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Uma lavor/trabalho de altos voos

Os alunos de 4º de ESO do IES Valle del Jerte de Navaconcejo apadrinham um ave de rapina, Caroço, que foi atropelado por um carro/automóvel e conta com seu {cúbito} e rádio quebrado. Elaborarão sabões de {glicerina}, que venderão, e dar assim seu grãozinho de areia

 

Acordo/compromisso 8 Os alunos de 4º de ESO, junto a seu professor, comprometidos com a causa e muita vontade de ajudar ao ambiente. - ALEX DE MATÍAS

Colaboración 8 {Los} alumnos, antes de começar a elaborar sabões. - CEDIDA

ALEX DE MATÍAS prov-caceres@extremadura.elperiodico.com NAVACONCEJO
08/03/2020

Um gesto único. Não é mais que isso, mas aos alunos de 4º de ESO do IES Valle del Jerte de Navaconcejo lhes reconforta fazer o bem e ajudar, embora seja com pouco/bocado, ao ambiente e sua fauna. É que, recentemente, iniciaram um projeto de apadrinhamento de aves que têm sofrido o impacto ambiental do homem. Assim, têm apadrinhado ao ave de rapina Caroço, um {ratonero} comum que foi atropelado por um carro/automóvel. Conseguiu sobreviver mas tem o {cúbito} e o rádio quebrado e está em processo de recuperação.

Este projeto o levam a cabo graças à cadeira de Cultura Cientista que dá o professor Javier Lázaro. «Uma parte do programa é o estudo dos impactos ambientais do homem e se nos aconteceu pôr em prática tudo esse tema com o apadrinhamento de um ave que tem sofrido essas consequências e que os alunos ponham em prática o aprendido e ganhem outras habilidades com isso», explicava o professor.

Seguimento diário/jornal

Para isso, colaboram com {Amus} (Ação pelo Mundo Selvagem) que se encarrega de recolher aves e mamiferos que têm tido algum problema. «Nós vemos cada dia como evolui. O animal tem o mínimo contacto com o ser humano. Se tudo vai bem, em pouco/bocado mais de um mês se lhe libertará e os alunos poderão estar presentes nesse momento, mas também pode ser que não seja possível», assinalava Javier.

Um projeto prático que, para além de ensinar hábitos científicos/cientistas, «também moral e ética». Por isso, os alunos agora estão preparando sabões de {glicerina} que logo venderão para poder/conseguir pagar o apadrinhamento «e se {conseguimos} mais, doá-lo a {Amus} ou alguma outra organização similar».

Os alunos mostram-se «contentes» por ser feito este projeto e «poder/conseguir ajudar a Caroço a recuperar-se», asseguravam. Um dos seus objetivos é «explicar à pessoas os perigos que correm os animais por causa de os seres humanos e que se consciencializem mais sobre/em relação a isso», comentava {Coral} Roda. «Também é uma boa forma de aprender tudo o relacionado com a cadeira», sentenciava Iker Pérez.