Menú

El Periódico Extremadura | Quinta-Feira, 5 de dezembro de 2019

Os {cereceros} prevêem colher umas 18.000 toneladas de fruta

Consideram que foi «uma boa campanha» e «um mercado favorável»

ALEX DE MATÍAS / AGENCIAS
22/07/2019

 

Os {cereceros} do Valle del Jerte realizaram um balanço «positivo» da campanha 2019, na qual, à falta de uns dias para sua conclusão, prevêem colher umas 18.000 toneladas de fruta que têm tido «um mercado favorável».

Assim o assinalou o presidente da Agrupamento de Cooperativas do Valle del Jerte e da Denominação de Origem Protegida Cereja do Jerte, Emilio Sánchez, após acompanhar à conselheira de Agricultura, Desenvolvimento Rural, População e Território, Begoña García, em seu visita a suas instalações de {Valdastillas} na quarta-feira passada.

Emilio Sánchez afirmou que o balanço de campanha é «positivo», porque em produção no fim vai-se a recolher à volta de 18 milhões de quilogramas e porque o mercado está favorável a este produto. «Os agricultores fizeram seus deveres neste ano. Em tamanho não nos podemos queixar e a qualidade a faz o tempo, pelo que é uma boa campanha que já faz muito tempo que não tínhamos e oxalá cheguem alguma mais de estas», sublinhou.

Por seu lado, a conselheira reiterou a «aposta clara» que se tem realizado para neste ano em matéria de seguros na cereja e que seguirão/continuarão melhorando nos próximos anos. «Cada ano, além disso, a Agrupamento de Cooperativas trabalha na diferenciação do produto no mercado e, pela primeira vez, em muitas grandes superfícies já aparece identificada como nossa Denominação de Origem, com o qual também nos está posicionando no mercado», precisou García.

A titular de Agricultura também referiu-se à granizada que afetou no passado 8 de Julho aos cerejeiras localizadas na parte alta da localidade de Tornavacas. Foi questão de pouco/bocado mais de 20 minutos, mas as consequências foram devastadoras.

Neste sentido, indicou que o relatório/informe de avaliação de danos dos técnicos de seu departamento, ainda sem terminar, «avança que há afetadas 115 hectares e umas perdas de em torno de 300.000 euros. Isso é o que há e isso é o que dizem os técnicos que são especialistas na avaliação de danos», destacou.

García acrescentou tratar-se duns «danos importantes» e detalhou que uma vez que se conclua o relatório/informe, será transferido à Delegação do Governo para que se eleve ao Ministério correspondente.

As notícias mais...