Menú

El Periódico Extremadura | Sábado, 17 de novembro de 2018

A Câmara Municipal assumirá o custo dos livros de texto

Se contempla uma verba/partida duns 32.000 euros para as famílias sem bolsa

SOLEDAD GÓMEZ prov-caceres@extremadura.elperiodico.com MADRIGALEJO
06/06/2018

 

A Câmara Municipal de Madrigalejo tem anunciado que o próximo curso escolar se fará cargo das despesas económicos da compra de livros para os meninos recenseados neste município. A medida se aplicará aos estudantes da Escola de Educação Pre-escolar de Madrigalejo ou Creche, do {CP} ‘Fernando o Católico’ e os alunos de ESO que estudam no {IES} {Lacimurga} {Constantia} {Iulia} de Navalvillar de Pela, sempre que não sejam beneficiários das bolsas públicas para livros, após ter-les solicitado. Assim o tem anunciado o presidente da Câmara Municipal de Madrigalejo, Sergio Rey, quem explicou tratar-se duma medida «que supõe um custo, mas que depois de/após poupar nalguns despesas não tão importantes, a Câmara Municipal assumirá com muito gosto, para que as famílias possam enfrentar a volta ao {cole} o novo curso um pouco/bocado melhor».

Neste sentido, o presidente da Câmara Municipal tem precisado que se destinará uma verba/partida económica duns 32.000 euros, da que se beneficiariam os meninos que o precisem, «de entre uns 200 alunos em idade escolaridade e de ensino secundário». A iniciativa, que se põe em marcha neste povo/vila pela primeira vez, foi acordada com as direções dos diferentes centros escolares, aqueles que se farão cargo da organização e distribuição dos livros aos alunos. Deste modo, os pais não terão que preocupar-se nem assumir a compra de livros de texto, dado que o {consistorito} pagará o custo de todos os livros diretamente aos centros.

MAIS AJUDAS/ Sergio Rey tem apontado que esta ajuda económica às famílias se une à medida tomada em anteriores legislaturas de descer um 33% o {IBI} a todos os {madrigalejeños}, «bem como uma a descida em impostos sobre/em relação a veículos de tração mecânica e a eliminação do imposto de saída de veículos ou garagens». Em todos estes casos, o presidente da Câmara Municipal tem precisado que não se trata de medidas eleitoralistas e que nunca estiveram em seu programa eleitoral, «já que são medidas que nunca prometeria sem estar convicto de que vá a poder/conseguir cumpri-las, pelo que se podem levar-se a cabo, como é o caso neste momento, simplesmente realizam-se».

As notícias mais...