+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

A procuradoria investiga a {Vadillo} após ver indícios de delitos por {Contempopránea}

O PP lhe recrimina aos socialistas que siga/continue ligado ao expresidente da Câmara Municipal

 

Ángel Vadillo, numa imagem de arquivo. - EL PERIÓDICO

EFE BADAJOZ
04/03/2020

O deputado do Partido Popular pela província de Badajoz Víctor Píriz considerou «vergonhoso e escandaloso» que o PSOE ligue ainda suas siglas em Alburquerque com o ex presidente da Câmara Municipal Ángel Vadillo, «condenado por ameaçar a cidadãos» e agora «novamente investigado por fraude», disse após conhecer-se, segundo informa numa nota, que «a Procuradoria aprecia delito de fraude e malversação com o dinheiro do festival {Contempopránea} 2018», a causa de uma denúncia apresentada pelo PP de Alburquerque.

Víctor Píriz assinalou que a Procuradoria pede investigar possíveis delitos de prevaricação, falsidade em documento público, fraude em subsídios e malversação de caudais públicos após analisar a denúncia do PP pela gestão duma subsídio de 100.000 euros outorgada pela Junta para organizar o {Contempopránea} em 2018, quando Vadillo era presidente da Câmara Municipal.

A denúncia do PP detalha que «o Consistório em mãos de Vadillo tão somente tinha justificado a metade da subsídio com o pagamento a 50 empregados que, segundo a Câmara Municipal, tinham trabalhado durante mês e meio para o festival, sendo suas ocupações habituais para o município muito diferentes às que se necessitavam». A realidade é que a situação financeira da Câmara Municipal, fruto da «negligente» gestão de Vadillo, fez que se investisse o subsídio noutras áreas em lugar do festival, pois, segundo Píriz, «a câmara municipal não pode pagar ao fornecedor pois não tem dinheiro, e o que recebeu da subsídio se o tem gastado noutras coisas».

O PP de Alburquerque e da província de Badajoz têm exigido que o PSOE, agora à frente do Câmara Municipal, e sua presidenta da Câmara Municipal e deputada provincial, María Luisa Murillo, dêem explicações «sobre/em relação a que se fez realmente com o dinheiro que devia destinar-se a {Contempopránea}».

Também pedem aos socialistas que «deixem de amparar e proteger a um sujeito desta semblante moral, que ameaça a cidadãos e esbanja o dinheiro de tudo o município sem ser capaz nem querer justificar a que o destina».