+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

A {OMIC} recuperou quase 25.000 euros por reclamações feitas em 2018

Os serviços das telecomunicações som os que geram mais denúncias

 

A vereadora de Consumo, Josefina Barragán, mostra o folheto informativo que reparte a {OMIC}. - R.M.

RODRIGO MORÁN prov-badajoz@extremadura.elperiodico.com ALMENDRALEJO
14/03/2020

O Escritório Municipal de Informação ao Consumidor ({OMIC}) contribuiu a recuperar 24.733,46 euros a favor dos que apresentaram reclamações durante o exercício de 2018 perante este organismo. Esse ano se tramitaram, concretamente, 341. Teve uma devolução combina de 17.816,72 euros, enquanto também se anulou um montante global de 6.916,74 euros que se tinha pago previamente e que não procedia. Do total de reclamações se rejeitaram 22.

Na valorização económica publicada pela {OMIC} dos dados relativos a 2018 também se faz constar a substituição de multiplas terminais telefónicos, sapatilhas de desporto, um computador, um berço e um aparelho de ar condicionado. Além disso se conseguiu que se fizessem reparações de instalações telefónicas e terminais telemóveis, ao passo que também tramitou multiplas baixas de linhas telemóveis, linhas de {ADSL}, anulações de manutenção, baixas sem penalizações e baixas de serviços de televisão, entre outros serviços.

A vereadora responsável desta escritório, Josefina Barragán, informou, igualmente, de que publicaram dados relativos às reclamações e consultas efetuadas em 2019. Em relação às primeiras, se apresentaram 308, sendo a maioria delas (55,19%) correspondentes a serviços de telecomunicações, lhe seguem/continuam as relativas a seguros (5,8%), comércio eletrónico (5,5%), eletricidade (5,1%), transportes (4,5%) e bancos (3,8%).

Quanto às consultas, se fizeram 1.253, sendo o sector das telecomunicações o que mais açambarcou com um 46,52%. Lhe seguiram/continuaram consultas sobre/em relação a comércio eletrónico (7,5%) e fornecimento elétrico (7,4%), e o problema gerado com o parque da Natal de Lisboa.