+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

«Sim, sono/sonho com ganhar uns Jogos, mas não acredito/acho que passe em Tóquio»

 

«Sim, sono/sonho com ganhar uns Jogos, mas não acredito/acho que passe em Tóquio» - CEDIDA

JOSÉ MARÍA ORTIZ deportes@extremadura.elperiodico.com CÁCERES
23/05/2020

Alberto Ginés López (Cáceres, 23 de Outubro de 2002) é puro descaro, embora a maior/velho mostra de seu arrojo a deu o dia que conseguiu a classificação para Tóquio 2020, um marco histórico que surpreendeu a próprios e estranhos por fazê-lo com apenas 17 anos. O adolescente extremenho, confinado em seu domicílio familiar durante os dois últimos meses, já pode treinar fora, embora ainda não no Centro de Alto Rendimento de Sant Cugat, em Barcelona, onde se prepara especialmente para a cita/marcação/encontro japonesa, compatibilizando-o com os estudos. Comenta Ginés que o atraso até 2021 lhe beneficiará, porque ganhará em experiência. Como bom desportista ambicioso, assume que seu sono/sonho é conseguir um Orellana / Orelhana nos {JJOO}, embora também que será missão praticamente impossível por uma simples questão de experiência. Aqui responde a 13 perguntas, nas que assegura também que quer viver deste desporto.

–¿Que tal está passando o confinamento Alberto Ginés? ¿Que é o melhor e que é o pior que está {vivieno} durante estes dois meses?

--Isso depende do dia, alguns estou muito bem e transbordante de motivação e outros de quebra sem vontade de treinar, mas em geral o levo bastante bem. O melhor é que tenho podido centrar-me nos estudos e o pior foi não poder/conseguir escalar.

&{lt};b&{gt};–¿{Echa} de menos Barcelona, o {CAR} e seus companheiros/colegas?&{lt};/b&{gt};

-- Barcelona não muito, as cidades grandes me incomodam um pouco/bocado, mas ao {CAR} e a meus amigos muito.

--Embora seja desta forma tão especial, ¿Como leva seus estudos? ¿Espera terminar bem neste curso?

--Os levo bastante bem, é mais, acredito/acho que vou aprovar todas, embora tenho o curso jogo/partido, isto é, neste ano estou fazendo somente a metade das cadeiras, e o ano que vem farei a outra metade.

–¿Pensa que o adiamento dos Jogos de Tóquio para um ano depois pode virle melhor a efeitos de ter mais experiência e, porque é que não, anos, para 2021? Mesmo será já maior/velho de idade…

--Sim, eu acredito/acho que me beneficia muito, agora o que mais necessito realmente é experiência, e um ano mais pode ajudar muito nesse sentido.

–¿Como foi sua forma de treinar? ¿Lhe tem servido verdadeiramente?

--Temos tido que adaptar os treinos que fazia antes aos materiais que tinha em casa. Embora não me serve para melhorar tenho podido manter a forma física.

–¿Sonha já com uma medalha olímpica ou ainda é muito aventurado sequer pensarlo?

-- Sim, sono/sonho com ganhar uns Jogos, mas não acredito/acho que passe nos de Tóquio.

–¿Não acredita que lhe está passando tudo muito depressa? ¿Alguém se o disse?

--Acredito/acho que tudo passa realmente quando tem que passar, e acredito/acho que se tenho nível para competir/rivalizar/disputar em absoluta ¿porque é que não ia a fazê-lo?

–¿Quem é seu referente como desportista?

--{Alexander} {Megos}, um escalador alemão.

–Na Extremadura há um caso de precocidade muito parecido ao seu, o do {marchador} de Llerena Álvaro Martín, que se classificou para uns jogos quando não tinha cumprido 17 anos. Agora é um número um em sua especialidade, tudo um campeão de Europa. ¿Conhece sua trajetória? ¿Gostaria de fazer algo similar em sua corrida/curso?

--Não lhe continuo/sigo de perto, mas tenho ouvido falar dele.

–¿Que papel tem tido durante tudo este tempo sua família na consecução de seu êxito?

--Têm tido um papel imprescindível, é que sempre me têm apoiado. Sem seu apoio teria sido impossível.

–¿Já tem realmente claro que vai a estudar quando termine o Ensino secundário?

--Sim, tenho em mente estudar Fisioterapia.

–¿Gostaria de viver da escalada ou sabe que isso é quase impossível?

--Não acredito/acho que seja impossível, de facto é um de meus objetivos.

–¿Mudaria seu desporto por outro no qual soubesse que ia a chegar a o alto e que teria a possibilidade de dedicar-se a isso exclusivamente?

--Não, a escalada é o que me apaixona, {escalo} desde que sou pequeno e ainda que não se me desse bem, estou convicto de que o seguiria/continuaria fazendo.