Menú

El Periódico Extremadura | Terça-Feira, 21 de janeiro de 2020

{Rasero}, rei duma gala mágica

O {karateca} de Higuera a Real, que acaba de terminar uma laureada corrida/curso, luz num ato que também reconheceu os êxitos de Marta García, Andrés ‘{Driu}’, Guille Gracia e Carla Santano, entre outros

E. P. E. deportes@extremadura.elperiodico.com MIAJADAS
04/12/2019

 

Com um espetacular montagem concebido por Felipe de Sande na Casa da Cultura ‘Massa Solís’ de Miajadas, a entrega dos Prémios Extremenhos 2018 serviu para que vários grandes personagens do desporto autonómicos fossem homenageados por um público entregue. O principal deles foi certamente o {karateca} Manuel Rasero, nomeado Prémio Extremadura do Desporto 2018, que o recolheu comovido de mãos de Guillermo Fernández Vara, presidente da Junta de Extremadura, justo quando acaba de deixar a competição na elite.

Rasero, de Higuera a Real, agradeceu o que se calhar não seja o último galardão por uma longa corrida/curso caraterizada pelos êxitos: 19 vezes campeão de Espanha em diferentes categorias na modalidade de {kumite}. Que o seu não vá a ser olímpico até ao 2020 lhe privou de aspirar a mais glória, mas ele pendura o {kimono} satisfeito por tudo o que fez, sempre em verde, branco e preto.

Lhe tem tomado o substituição a nível internacional em seu desporto a {almendralejense} Marta García, recente campeã do mundo {sub}-21 em {kata} e que em Miajadas levantou o título de melhor desportista extremenha absoluta do ano. Protagonizou uma das curiosidades da noite: a estatueta se lhe danificou ao roçar-la com um altifalante.

O melhor desportista absoluto foi Andrés Francisco Sánchez ‘{Driu}’, outro que vai abandonando a atividade que lhe deu Orellana / Orelhana a {paladas}: o paramotor. Agora será selecionador nacional e tentará transmitir os truques que lhe levaram a conseguir o recorde do mundo em {biplaza} como piloto no comando: 406 quilómetros, desde/a partir de Zafra a Cuenca nada menos.

O futuro

Há substituição. A melhor desportista promessa feminina foi Carla Santano, a ligeiríssima ginástica que já está instalada entre as melhores a nível nacional. Campeã de Espanha juniores, não é estranho imaginá-la continuando a tradição das Nuria Cabanillas, Marta Calamonte e Laura Campos.

Seu homólogo masculino foi um jovem de permanente moda e que chegou para ficar: o nadador Guille Gracia. E isso que, quando foi escolhido, ainda não tinha conseguido na Austrália nove medalhas da categoria/escalão {S15} no Mundial {INAS}. Foi um dos mais aplaudidos.

Teve mais prémios mais coletivos: da igualdade de oportunidades à Associação {Aprosuba} 8-Plena Inclusão Montijo; o do melhor evento desportivo ao III Torneio Internacional de Ténis Feminino Cidade de Don Benito; o de melhor entidade desportiva à Associação Escolas Desportivas de Calamonte, e o da melhor empresa Desportiva a Irmãos {Cano} {Blázquez} SL ({Rocódromo} Cereja Wall de Plasencia). Este último o recolheu Javier Cano, que elogiou a Alberto Ginés, o também escalador que, a seus 17 anos, acaba-se de apurar-se para os Jogos de Tóquio.

A Menção Especial do júri se lhe concedeu a uma dessas pessoas que trabalharam pelo desporto na Extremadura quando os meios quanto a infraestruturas eram muito mais escassos que agora. No caso de Enrique Pizarro Pedrero, foi um grande impulsor do voleibol/vólei desde/a partir de os anos 60.

Antonio Díaz, presidente da Câmara Municipal de Miajadas, exerceu de orgulhoso anfitrião duma gala animada por {Sunrise} Jazz e conduzida por dois apresentadoras de Canal Extremadura, a desportiva {Leticia} Antúnez e Mamem Arroyo, do programa ‘{Escúchame}’. E, como é habitual, no {ágape} posterior se falou de tudo, sobretudo da sanção por dopagem a Pedro Romero e as dúvidas sobre o seu futuro como presidente da Federação Extremenha de Ciclismo.

As notícias mais...