Menú

El Periódico Extremadura | Segunda-Feira, 17 de fevereiro de 2020

Nadal salva o susto

O número 1 melhoria de sua lesão abdominal e espera estriar-se na próxima segunda-feira perante {Zverev}. Pode jogar sem problemas a nível dos golpes de cintura, mas deverá provar-se com o tire desde amanhã

JAUME PUJOL-GALCERAN
06/11/2019

 

Rafael Nadal estará no {O2} Areia de Londres para participar na Copa de los Maestros, onde deveria estriar-se na segunda-feira 11 de Novembro perante o alemão {Alexander} {Zverev}, último campeão das {Nitto} Finais {ATP}. A lesão no abdominal direito que lhe obrigou a retirar-se em Paris sem jogar as meias-finais perante o canadiano {Dennis} {Shapovalov} parece que não lhe impedirá jogar o torneio e também não, se não se complica, disputar as finais da Copa Davis, que se celebrarão a semana seguinte na Caixa Mágica de Madrid.

O resultado da ressonância magnética à que se submeteu na segunda-feira passada em Palma detetou «uma pequena distensão» que, segundo o médico Ángel Ruiz Cotorro, médico do tenista e da federação espanhola de ténis, permite confiar em que «com o tratamento adequado», Nadal possa recuperar-se a tempo para jogar o Mestrados, à diferênça do ano passado, no qual sofreu uma rutura abdominal que fez impossível sua presença em Paris-{Bercy} e Londres. «As provas que lhe fizemos ontem nos ensinaram uma distensão no abdominal. Se o problema fora maior era impossível que chegasse a tempo mas agora temos essa possibilidade de que esteja para jogar», explicou o médico.

Nadal viajará hoje a Inglaterra para começar os treinos. O tenista maiorquino pode jogar sem problemas a nível dos golpes de cintura, mas deverá provar-se com o tire na quinta-feira ou na sexta-feira para decidir definitivamente sua participação. O serviço é um arma vital em pista dura e um arma básica que Nadal melhorou na última época para impor um jogo mais agressivo a seus rivais.

E necessitará seu melhor tire sobre/em relação a uma pista rápida como a do {O2} Areia se quer ter opções de ganhar o torneio que ainda falta em seu palmarés. A cadeira pendente que se lhe tem escapado tantas vezes. Desde o 2005 Nadal sempre se assegurou sua presença entre os oito melhores, mas as lesões lhe têm impedido jogar em seis ocasiões. Os melhores resultados de Nadal na Copa de los Maestros foram dois finais, uma em 2010 perante Federer e a outra no 2013, contra Djokovic.

O grupo que lhe tem tocado a Nadal na Copa de los Maestros não é nenhuma perita em doce, embora num torneio no qual jogam os oito melhores do ano se faz difícil valorizar se o sorteio foi favorável. O número 1 terá como primeiros rivais a três tenistas da nova geração. Três jogadores que se desenvolvem bem em pistas duras e baixo/sob/debaixo de teto, como {Alexander} {Zverev}, seu primeiro adversário, junto a dois dos tenistas que têm tido uma melhor época como o russo {Daniil} Medvedev, que jogou a final do Aberto de Estados Unidos perante Nadal e o grego {Stefanos} {Tsitsipas}, que chega a Londres com 50 vitórias e ganhou ao espanhol no Mestrados 1.000 de Madrid neste ano.

A luta pelo {nº1}

Nadal tem evitado, isso sim, cruzar-se com Roger Federer na fase de grupos. O suíço, seis vezes campeão do torneio, estará junto a Novak Djokovic, vencedor cinco vezes, para além do austríaco {Dominic} {Thiem} e o inesperado tenista italiano Mateo Berretini. A última vez que o sérvio e o suíço se enfrentaram foi na final de Wimbledon, na qual Federer desperdiçou dois {match} {balls} para ganhar o título. Um duro golpe que não tem esquecido.

A vitória de Nadal em Londres lhe permitiria assegurar-se o número 1 no pulso que mantém com Djokovic. O astro sérvio encontra-se a 640 pontos do das ilhas Baleares, embora em Londres ficam 1.500 em jogo. Nadal e Djokovic poderão cruzar-se só/sozinho a partir das meias-finais ou na final de 17 de Novembro se os dois acabassem primeiros em seus respetivos grupos.

As notícias mais...