Menú

El Periódico Extremadura | Quinta-Feira, 20 de septembro de 2018

Nadal: «¿A duodécima? Agora mesmo não se pode pensar tão longe»

«Deveríamos fazer-lhe uma reverência», diz Federer

EFE PARÍS
12/06/2018

 

Rafael Nadal, flamejante vencedor de Roland Garros, o undécimo em seu palmarés, advogou por usufruir do troféu colhido este domingo e disse que num tempo voltará a pensar num possível duodécimo. Fez estas declarações esta segunda-feira, durante uma homenagem que lhe dedicou a Câmara Municipal de Paris e a perguntas da presidenta da Câmara Municipal, a hispano-francesa {Anne} {Higaldo}.

«Después do onze vem o doze. ¿Te esperamos não, Rafa?», questionou Hidalgo ao tenista. «Já veremos o que possa passar o ano que vem. Agora mesmo não se pode pensar tanto/golo. Temos de estar satisfeito com o que aconteceu e quando passe um tempo já começaremos outra vez a pensar no que possa passar o ano que vem», respondeu Nadal.

«É incrível, a todos os jogadores do circuito não lhes fica mais que fazer-lhe uma reverência. Somente cabem os superlativos», assinalou Federer sobre/em relação a Nadal, um dos principais rivais durante sua corrida/curso, na conferência de imprensa do suíço, prévia a sua participação no torneio de {Stuttgart} onde reaparece esta quarta-feira no circuito.

«Ganhar um torneio 11 vezes é algo quase impensável. É das coisas mais incríveis que existem», acrescentou. Federer, tal como a época passada, tem descartado jogar neste ano os torneios sobre/em relação a terra batida e tem centrado seu objetivo em Wimbledon.

«Gostaria ter algum dia outra vez uma batalha contra Nadal em Roland Garros mas por enquanto o foco é Wimbledon. Para meu, ganhar ali é o maior do circuito», acrescentou em relação o jogador suíço. Federer admitiu que praticamente não tinha podido ver nada da final de Roland Garros porque estava de viagem até {Stuttgart} e depois esteve treinando-se na cidade alemã. Se o suíço chega à final deste torneio somará 150 pontos, suficientes para arrebatar o número 1 ao espanhol.

As notícias mais...