Menú

El Periódico Extremadura | Segunda-Feira, 17 de fevereiro de 2020

Mais dinheiro para Segunda B e Terceira

A Federação Espanhola fala de «aumento histórico» de rendimentos graças ao programa Impulsiona 23

REDACCIÓN
06/11/2019

 

Os clubes de Segunda Divisão B e de Terceira terão mais dinheiro desde esta época. A Federação Espanhola de Futebol ({RFEF}) fala de um «aumento histórico» dos rendimentos dos equipas graças ao programa Impulso 23 para o período 2019-2023. O mesmo garante que os clubes destas dois categorias se repartirão perto de 31 milhões de euros por época.

A medida foi apresentada na tarde de segunda-feira pelo presidente da {RFEF}, Luis Rubiales, na Cidade do Futebol de Las Rozas, uma reunião à que assistiram representantes dos mais de 400 clubes que {militan} em ambas categorias, entre eles a maioria dos extremenhos.

«Este modelo vai a significar um antes e um depois. Para mim é um bom final para poder/conseguir dizer que cumprimos com nossa palavra, que os que estamos aqui nos {comprometimos} no mês de Abril a que {tendríais} garantido o mesmo no mínimo. Espero que todos {estéis} no programa porque vale a pena e que os próximos quatro anos {tengáis} garantido esses 31 milhões de euros praticamente», disse Rubiales.

SEGUNDA DIVISÃO B / Os clubes da categoria/escalão de bronze que se {adhieran} ao programa (salvo dependentes e filiales) que não jogam a Copa del Rey verão incrementado num 43% seu ajuda direta em dinheiro, passando dos 70.000 euros da época passada aos 100.000 que ingressarão a partir de agora. A essa quantidade/quantia temos de acrescentar 10.000 euros em média em quilometragem, 26.410 em árbitros, 4.500 em {scouting} e 1.200 euros em bolas. Além disso, cada clube terá um mínimo garantido de 20.000 euros dentro do acordo que da Federação Espanhola alcançou com a plataforma {Footers}. Ao todo, estes clubes receberão 162.110 euros em média, que é um 44,59% mais que a campanha passada. Este é o caso do Don Benito.

Tanto/golo Badajoz como Mérida entram noutro afastado, já que os dois participarão na Copa del Rey. No caso dos clubes que competem no torneio do ‘ko’, a essas quantidades/quantias devem somar 23.000 euros pela primeira eliminatória e 35.000 pelas seguintes (antes era 31.000). Neste caso, Impulso 23 significará um total garantido de 202.110 euros em média, que pode subir por passar mais rondas na Copa. É um incremento meio do 49,58%, já que a época passada os clubes recebiam em média 112.110 euros. Outra novidade neste âmbito é que, quando um {equpo} de Segunda B tenha que viajar a jogar com outro da categoria/escalão receberá 45.000 euros em lugar de 35.000.

TERCEIRA DIVISÃO / Para os clubes de Terceira Divisão que não disputem a Copa del Rey o incremento da contribuição direta de dinheiro será do 40%. Isto significa que passarão de receber/acolher 30.000 euros em ajuda direta a ingressar 42.000. A essa {candidad} temos de acrescentar 3.000 euros em quilometragem e 1.200 em bolas.

Dessa ajuda se poderão beneficiar 19 dos 20 clubes da Terceira extremenha, todos salvo o Cacereño, que compete na próxima edição da Copa del Rey, à que se tem classificado graças ao novo sistema como um dos 14 melhores segundos da campanha passada. Aos 46.200 o {CPC} acrescentará 23.000 euros pela primeira eliminatória e 35.000 se passa à segunda e posteriores. Esses significa que ingressará um mínimo de 69.200 euros.

A isso se acrescentariam para o conjunto/clube dos clubes 200.000 euros por licenças P e 300.000 pelo Fundo de Garantia Salarial.

Luis Rubiales recordou que graças às remodelações levadas a cabo «há mais equipas de Terceira Divisão na Copa que nunca na história e as equipas desta categoria/escalão sempre jogarão de local, o que significa que não farão viagens, com a poupança que isso implica, e que ao jogar de local tenham mais possibilidades de passar de ronda e enfrentar-se com equipas de maior categoria/escalão. Essas bilheteiras, sem lugar a dúvidas, vão a sanear muito a economia dos clubes».

O programa, que neste ano estará regularizado em Fevereiro, vai a pagar todas as quantidades/quantias cada dois meses, com cinco pagamentos por época. Para entrar no mesmo os clubes devem dar as imagens da competição em estádios e t-shirt e participar na saco/sacola/bolsa televisivo da Federação.

As notícias mais...