+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Indomável Pomba {Marrero}

Assegura que está dececionada com a «exigência de resultados que há na natação espanhola». A nadadora voltou de Gijón a seu Mérida natal para um confinamento que foi «uma recarga/recarrega de pilhas»

 

Pomba {Marrero}, com sua cadela ‘{Xena}’ seu «apoio emocional». - CEDIDAS

JAVIER ORTIZ
18/05/2020

Tem tido sempre algo de incontrolável a nadadora emeritense Pomba {Marrero}. Na sexta-feira, quando se produziu a conversa com este diário/jornal, cumpria 24 anos, assinalava que nela se produziram mudanças dentro duma constante evolução, marcada por sua estadia na universidade de {Akron}, mas conserva uma linguagem direta e até descarnado.

«As pessoas quer resultados. E se não os {tienes}, {eres} uma merda. Eu tentativa não pensar isso. A natação espanhola é assim e têm esse pensamento. O que me têm ensinado em América é que temos de fazer as coisas com o coração, que o resultado não é o que te tem que dar a felicidade, mas o caminho. Sempre tentativa pensar em que estou aprendendo quando faço as coisas. É o que me levo à almofada cada noite», sustenta com um discurso no qual as palavras saem a {borbotones}.

A jovem segue/continua cheirando a inconformismo por todos os lados, como quando era uma adolescência que acumulava medalhas e recordes nos campeonatos de Espanha, embora assegura ter-se voltado «mais insegura» pelo medo que teve quando regressou. «Me criticaram quando me fui. Disseram que me ia a perder, que ia a vir com 50 quilos de mais, que não ia a uma universidade das grandes. Mas ali estive bem. Me levei uma {hostia} de realidade porque tenho já que a única que mudou fui eu. E isso me dececiona», lamenta.

GIJÓN Y MÉRIDA / Quando há um ano regressou de sua experiência {yankee} se {enroló} no Santa {Olaya}, um clube de Gijón que lhe permitiu ao mesmo tempo fazer práticas como professora num colégio da cidade asturiana. Ali lhe surpreendeu o iminente estado de alarma e teve que voltar precipitadamente a Mérida, onde reside sua família, para passar o confinamento.

«O presidente me disse que me fosse antes de que se fechasse tudo», conta. Alguém tão inquieto por natureza é quase normal/simples que as duas primeiras semanas de concentração «não as levasse nada bem, me pus louca», mas logo tudo melhoraria.

«¡É que não gosto estar em casa! Estou todo o dia na rua. Em Gijón fazia as práticas de manhã e treinava à tarde. Aqui quando {empecé} a assimilá-lo se me passou muito rápido e me tem vindo muito bem. Foi como uma recarga/recarrega de pilhas», explica {Marrero}, que tem tido «o apoio emocional» de sua cadela, à que chamou {Xena}, como a princesa guerreira da série de televisão. Tudo uma mensagem.

No entanto, sua nostalgia de praticar seu desporto foi incontrolável. Só/sozinho se tem visto interrompida faz uns dias, na pequena piscina (10x7 metros) da casa no campo que tem a família em Valverde de Mérida. «Dei quatro {brazadas} e estava cansada já», lamenta. Mas isso não é fazer natação. «O {echo} muito de menos. Adoraria estar treinando, mas não me quero arriscar», sustenta. Sua época de regresso estava sendo boa, incluindo sua participação no Europeu de piscina curta em Glasgow o passado Dezembro.

O FUTURO / «Me poderia ter ido melhor. Foi tudo um pouco/bocado estranho no Santa {Olaya}. Tinha muita tensão. Eu faço meu estreitamente. {Entreno} o que me dizem, mas não tinha a mesma motivação que ao início. Foi como começar de zero, como que tudo o que tinha facto/feito não tinha servido para nada», recorda.

Não conseguiu a marca mínima para os Jogos de Tóquio, postergados depois. «Nunca sonhara com isso. Há muito boas nadadoras em minha especialidade. Mais bem o que procurava era um posto no Europeu de piscina longa. Procuro melhorar, ir avançando passos pequenos para ir chegando aos poucos a objetivos intermédios». O seguinte, quando se reiniciem as competições, é o Mundial de piscina curta em {Abu} {Dabi} em Dezembro e preparar o 4x100 estilos. ¿E fuera da piscina? Se adaptou bem a Gijón e seus planos passam por «fazer oposições/concurso público ou trabalhar num colégio privado». 100% Pomba {Marrero}.