+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Futebolistas sobreviventes

{Willy} protagonizou um singular e irónica celebração de seu golo no qual ficou desempregado/parado esperando vamos ver se o {VAR} o concedia. Manuel voltou a tirar peito de seus jogadores e lhes felicitou pelo jogo/partido

 

O golo de {Willy} 8 Os jogadores celebram o tanto/golo do capitão pedindo acalma por se atuava o {VAR}. -

Hobby/adeptos 8 Um dos grupos de adeptos do Extremadura que se deslocou ao Carlos Belmonte. -

R. MORÁN
07/12/2019

«O ponto me sabe de maravilha porque temos demonstrado que somos o Extremadura e que nem nada nem ninguém pode connosco. Somos como o mar, sempre estamos golpeando. E não há adversidades que possa connosco. Estivemos muito bem e melhor que o Albacete. Tenho felicitado a meus jogadores pelo esforço e por como superaram muitas coisas durante o jogo/partido». A reflexão é de Manuel Mosquera e não faz falta ler entre linhas para saber, claramente, que para o treinador galego o ponto é como um triunfo porque não tinha muitas opções de ter tirado algo mais no Carlos Belmonte.

O treinador do Extremadura disse, {elegantamente} falando, que seu plantel/elenco se tinha sobreposto a muitas decisões arbitrárias de difícil compreensão. No ter do jogo/partido no Belmonte, um grande penalidade de Celeiro que supõe o 1-0. Uma errónea interpretação do {VAR} que supõe o grande penalidade errado por {Susaeta} e um cartão amarela perdoada a {Olabe} quando já tinha outra por um golpe a {Zarfino} num salto. Isso, para além de muitas decisões controversas que durante tudo o encontro ameaçaram com desesperar aos jogadores do Extremadura.

Mas ontem, os futebolistas foram sobreviventes às circunstâncias. A equipa tinha a clara ordem de não protestar ações arbitrárias. Não o fez. Gestos desesperados ao ar, mas nem um protesto. Até ao segundo grande penalidade via {VAR} que ameaçava à paciência. No entanto, o erro de {Susaeta} e o golo de {Willy} levantaram de um {plumazo} ao Extremadura.

Para a história ficará a celebração o capitão azul-vermelho, ao que já lhe tinham anulado pelo {VAR} dois golos esta época. Por isso, após seu esplêndido remate que significava o empate, {Willy} decidiu não celebrar o golo. Se manteve calmo, levantou os braços e realizou o gesto da acalma juntamente com seus companheiros/colegas. A imagem, sem dúvida, será uma das fotos das jornada e já está a dar a volta por toda Europa.

Está claro que o {VAR}, suas interpretações e a eterna espera nos golos mudaram até à forma de celebrar os tantos, especialmente para {Willy}, cuja efusão sempre é a norma comum.

O empate foi celebrado também pelo quase centenar de adeptos que se deslocou até ao estádio Carlos Belmonte desde/a partir de Almendralejo. A indignação, apesar do empate, não tem desaparecido no ambiente azul-vermelho. Não obstante, o ponto supõe um ponto de inflexão e permite encarar com mais otimismo e esperança os empurrões antes das festas de Natal.