Menú

El Periódico Extremadura | Domingo, 29 de março de 2020

Carla Suárez lidera a Espanha frente a Bélgica e regressa ao Grupo Mundial

A vitória no dobro foi decisiva depois das derrotas de {Muguruza}

LUIS MENDIOLA BARCELONA
22/04/2019

 

Depois de/após uma resignada/sofrida eliminatória de promoção frente a Bélgica, que necessitou o quinto e definitivo jogo/partido para resolver-se, Espanha se impôs por 3-2 e conseguiu o objetivo que perseguia na pequena localidade belga de {Cortrique}: o regresso ao Grupo Mundial da Copa Federación, que reúne aos oito melhores países do panorama.

O triunfo da equipa espanhol, que conta com cinco títulos de em seu palmarés, chegou no dobro da mão de {Garbiñe} {Muguruza} e Carla Suárez, que se estreavam como casal/par em Bélgica. As tenistas espanholas se impuseram a {Ysaline} {Bonaventure} e a {Kistern} {Flipkens} por 7-6, 2-6 e 6-2 depois de/após um pulso {durísimo}. O jogo/partido se prolongou durante duas horas e 13 minutos, nas que as jogadoras de {Anabel} Medina viveram muitos altibaixos, mas acabaram tirando o carácter para resolver no momento decisivo.

O regresso de Espanha à elite da que caiu no 2017, relegada por França nos play-off, teve um nome próprio: o da canária Carla Suárez, que se adjudicou os dois pontos nos individuais e formou um convincente casal/par no decisivo encontro de {dobles} junto a {Muguruza} para fechar a eliminatória, que se disputou na pista rápida e coberta do {Sportcampus} {Lange} {Munte} de {Cortrique}, no oeste do país.

«Carla jogou incrível. Graças a ela tivemos uma oportunidade no {dobles}», reconheceu {Muguruza}, número 19 do ranking mundial, que só/sozinho teve alguns cintilações de sua enorme classe na manga decisiva do quinto encontro, quando dominó desde a rede o jogo e decantou uma eliminatória na qual a equipa espanhola foi sempre a reboque.

«Esse era o objetivo que perseguiamos e, no fim, o conseguimos que é o importante», proclamou a jogadora canária. «Queríamos estar aí, o {merecíamos} desde há anos», acrescentou.

SALVAR OS PAPÉIS / Foi Suárez, que ocupa o posto 27 do ranking da {WTA}, e chegou à cita/marcação/encontro com muitas dúvidas em seu jogo, quem deu a oportunidade ao plantel/elenco espanhol de chegar ao dobro, emergindo nos partidos individuais para arranjar os tropeços resignados por {Muguruza}. A jogadora nascida em Caracas perdeu no sábado contra {Kristine} {Flipkens} (6-3, 4-6 e 6-4) e a {grancanaria}, de 30 anos, igualou o play-off no segundo encontro impondo's a {Alison} Vão {Uytvanck} por 6-3 e 6-2.

O guião se repetiu ontem com {Muguruza} cedendo por 4-6, 6-0 e 6-4 perante {Bonaventure}, e de novo, surgiu Suárez para superar por 6-2 e 6-1 a {Yanina} {Wickmayer} e manter abertas as opções da equipa espanhol, que foi a {Cortrique} também com {Aliona} {Bolsova}, {Georgina} García Pérez e María José Martínez, convocadas por Medina e que, no fim, não saltaram à campo/pista.

As notícias mais...