+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Cacereño-Villanovense, grande cita/marcação/encontro com o líder Coria muito pendente

Os dois favoritos se medem no Príncipe Felipe (12.00) e os {corianos} recebem logo ao {Llerenense}

 

Dani Martínez (Villanovense) tenta {enganchar} um centro diante da oposição/concurso público de Alberto Delgado (Cacereño). - C. PINHEIRO

JAVIER ORTIZ
16/02/2020

Seis partidos de manhã e quatro à tarde na {vigesimoquinta} jornada do grupo XIV de Terceira Divisão. O prato principal é o Cacereño-Villanovense entre as duas equipas que partiam como grandes favoritos a fazer-se com o campeonato, mas que por enquanto se estão vendo superados pelo Coria à espera de que a classificação se regularize com a disputa do Aceuchal-Cacereño pendente. Mas não será o único encontro de muito interesse/juro tanto/golo na zona alta como na de descida/desmpromoção.

CACEREÑO-VILLANOVENSE / Grande cita/marcação/encontro no estádio {Principe} Felipe, onde se espera a melhor bilhete da época se se excetuam os partidos de Copa del Rey. O Cacereño deu facilidades a sua inchada porque quer ver-se apoiado ao máximo num duelo apaixonado ao máximo e que chega numa situação bem diferente que o da primeira volta.

Antes de aquele 1-3 tinha 10 pontos de diferença a favor dos {serones}, que se queixaram de várias decisões arbitrárias que puderam mudar o rumo do choque. O certo é que desde então a vida lhes mudou a uns e a outros e nem sequer Pepe Masagosa se sinta/senta já no banco dos de Villanueva. Com um jogo/partido menos jogado, o {CPC} tem um ponto mais e espera pôr mais terra de por meio se mantém sua linha de fiabilidade dos últimos meses. Além disso, conta com toda sua plantel/quadro disponível.

Não o porá fácil o Villanovense, que ultrapassaria a seu rival na tábua se consegue vencê-lo. A mudança de treinador lhe começa a funcionar. São três vitórias consecutivas as que acumula Javier Álvarez de los Mozos, que parece querer reforçar os funcionamentos defensivos da equipa (zero golos encaixados nestes 270 minutos). Isso sim: a baixa de alguém com tanto/golo peso específico como Ángel Pajuelo terá que tentar que não se note demasiado (12.00 horas).

CORIA-{LLERENENSE} / À tarde o líder sairá a A Ilha sabendo o que ocurreu em Cáceres. Fá-lo-á com a tranquilidade de que, aconteça o que acontecer, lhe beneficiará, já que pelo menos um dos seus dois oponentes mais diretos não terá somado os três pontos. Provavelmente, o que mais lhe convenha ao Coria é um empate, mas sobretudo cumprir em seu encontro, simples pelo menos em teoria, frente a um {Llerenense} que contorna zona de descida/desmpromoção.

O ingreso do treinador {Rai} Rosa por um súbito desmaio tem quebrado a felicidade no clube {coriano}, que acumula a fantasiosa cifra de dez vitórias consecutivas. O acontecido, após as provas, não passou de ser um pequeno susto. A missão é clara: superar ao {Llerenense} para assegurar-se uma semana mais o primeiro posto. O 0-6 da semana passada em Trujillo perante um bom plantel/elenco demonstra o lubrificada que tem a maquinaria (17.00).

MORALO-DIOCESANO / O queda sofrido pelo Moralo em Llerena no domingo passado (2-0) não custou demasiado caro: o conjunto/clube de José Diego Pastelero, quarto, mantém 4 pontos de diferença face ao quinto, o Extremadura B. É um ‘colchão’ que deve saber administrar até final da época e repetir assim classificação para a fase de promoção. No Municipal a equipa costuma estar muito mais cómodo e além disso se mede a um ‘{Dioce}’ que não está em seu melhor momento, acumulando quatro derrotas nos últimos cinco encontros (17.00).

AZUAGA-EXTREMADURA B / O filial azul-vermelho tratará de aproveitar outro tropeço do Moralo para seguir/continuar aproximando-se ao quarto posto, mas não é Azuaga um sítio idóneo para cumprir com seu parte e levar-se a vitória. É que os locais, embora mais longe (nonos com 38 pontos, 4 menos que o Extremadura B) tratam ainda de apurar as suas possibilidades de fazer algo grande esta época, apesar de que tenham perdido seus dois últimos encontros e sejam uma equipa ao que lhe subida muitíssimo marcar golos (12.00).

PLASENCIA-ACEUCHAL / Uma das deceções da época contra uma das sensações. Por historial, a {UPP} deveria estar acima do Aceuchal, que no entanto tem 12 pontos mais e está 12 postos mais em cima. O estreitamente do conjunto/clube visitante está a ser muito melhor, enquanto no Plasencia não conseguem a estabilidade necessária. O regresso de Luismi ao banco não tem vindo ainda aparelhado duma melhoria de resultados, embora a situação seja por agora tranquila na tábua (12.00).

CALAMONTE-TRUJILLO / O Calamonte é outro desses equipas que muito têm que fazer o parvo para ver-se complicados na zona de descida/desmpromoção, sobre/em relação a a que estão 9 pontos acima. Por seu lado, o Trujillo, que apesar de tudo está assinando uma grande campanha e está muito bem posicionado (sexto), recebeu um banho de realidade no domingo passado com o 0-6 perante o Coria. Agora espera voltar a emergir após superar um calendário muito complicado (12.00).

MONTIJO-JEREZ / A questão com o Jerez é idêntica à de equipas como Aceuchal e Trujillo (não é em vão levam os três 40 pontos): sim estão em disposição de, a base de somar e esperar os erros do Moralo, discutirle o quarto posto, mas não mostraram a regularidade suficiente como para tomar-los como uma alternativa sólida verdadeiramente. Em Montijo frente a um rival em problemas (quinto pela cauda) terá uma nova prova (12.00).

MIAJADAS-OLIVENÇA / Espetacular o momento dos {oliventinos}, que levam sete vitórias nos últimos oito encontros e estariam em zona de fase de promoção numa classificação da segunda volta. Sua ambição lhes levou a estar muito perto de a manutenção quando parecia que seria uma equipa condenado a sofrer. O Miajadas é bem pelo contrário: de um esperançoso início passou a uma má rajada que implicou a mudança de treinador. Agora confia em Aitor Bidaurrázaga para fugir do perigo tão cedo quanto possível (12.00).

VALDIVIA-FUENTE DE CANTOS / Os locais conseguiram sua única vitória de toda a época faz duas semanas e na passada voltaram à tradicional senda da derrota. Só/sozinho um milagre evitaria sua descida/desmpromoção, mas querem usufruir da Terceira enquanto lhes dure arrancando mais triunfos. O vêem possível perante um Fuente de Cantos metido em muitos problemas como terceiro pela cauda e que tenta não acompanhar-los a próxima época a Primeira Extremenha (17.00).

RACING VALVERDEÑO-ARROYO / Embora não esteja numa situação tão terminal como a do Valdivia, ao Racing Valverdeño lhe começa a urgir, e muito, somar de três em três. É penúltimo a 6 pontos da manutenção, o que vai pressionando cada vez na luta por salvar-se. Por seu lado, o Arroyo está assinando uma época nos parâmetros que se esperavam: no equador da classificação. Suas quatro derrotas consecutivas se devem a que jogou perante Cacereño, Moralo e Coria (17.30).