+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

O Baleares ameaça com não jogar a fase de promoção

 

EFE
14/05/2020

O Atlético Baleares, líder do Grupo I de Segunda B, só/sozinho se apresenta disputar a fase de promoção «se há umas regras iguais para todos» e baixo/sob/debaixo de «estritas normas de segurança sanitária e jurídicas», declarou o gerente da entidade, Guillermo Pisano, numa conferência de imprensa telemática. O Baleares, junto a {Logroñés}, Castellón e Cartagena, líderes dos outros três grupos, se jogaria o promoção a jogo/partido único, embora se perde, poderia manter suas opções disputando outras duas eliminatórias.

Os outras equipas classificadas para os ‘play-{offs}’ expresso som Ibiza, Cultural Leonesa, Barcelona B e {Marbella} como segundos ; Atlético B, Athletic B, Sabadell e Badajoz (terceiros); e Peña Deportiva, Valladolid B, {Cornellá} e {Yeclano} (quartos). Pisano critica que a federação não tenha facilitado um protocolo sanitário para Segunda B e Terceira e sublinha que desde/a partir de o clube não vão a pôr em risco aos trabalhadores. «Ontem (terça-feira) recebemos umas recomendações para voltar aos treinos. Enquanto não tenha protocolo e uma figura externa da Federação que controle as medidas de segurança de todos, o Baleares não vai a treinar».

O diretivo também expôs que jogadores do filial do {Villarreal}, do Barcelona, ou equipas como o Badajoz e o Ibiza “levam vários dias treinando”. “Nós {volveremos} ao campo só/sozinho seu há um protocolo e uma figura externa da Federação que controle as medidas de segurança de todos”, assinalou.

“Temos muito claro que não vamos a expor a nossos trabalhadores e menos regressar como o fizeram outros clubes nos que se tem já que, por exemplo, se tomam a temperatura com termómetros de contacto, sem luvas e limpando's o termómetro com sua própria t-shirt. Se a Federação marca umas regras de jogo igualitárias para todos, o Baleares jogará, mas hoje é inviável”, assinalou Guillermo Pisano.