+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

O Al-Qázeres não sai do lama

A equipa de Ricardo Vasconcelos paga perante o {Araski} a baixa forma de quase todas suas jogadoras

 

Paula Ginzo lança a canastra perante o {Araski}. - A. MARTÍN

JAVIER ORTIZ deportes@extremadura.elperiodico.com CÁCERES
08/12/2019

Ya é ‘oficial’: o Nissan Al-Qázeres Extremadura está em crise. Cinco derrotas nos últimos seis encontros, todas com marcadores grosseiros e não sempre contra ‘grandes’ da Liga Feminina Endesa. A que se produziu perante o {RPK} {Araski} (45-67, após ir perdendo mesmo por 31 pontos) é um dorido entalhe mais num plantel/elenco que não funciona. Não temos de esquecer que as bascas levavam, até ontem, só/sozinho um triunfo mais que as cacerenhas.

As boas sensações que deixou a esquadra de Ricardo Vasconcelos no primeiro troço da competição se têm ido simplesmente pelo sarjeta mais escura. Não há nem ataque --asfixiado com percentagens {bajísimos} com várias referentes desaparecidas-- nem, certamente, defesa. Se nos partidos iniciais o Al-Qázeres tinha apaixonado por sua implicação coletiva e uma obsessiva entrega física à tarefa de proteger o aro próprio, agora acontece bem pelo contrário. Em a primeira metade o {Araski} entesourou toda uma coleção de canastras em posições cómodas.

¿Há um problema de descida de braços? Vindo de um -48 em Lugo perante outro plantel/elenco de ‘classe média’, não é admissível ser {vapuleadas} desta maneira, de um modo tão terrível e, o que é pior, aparentemente de forma simples. Tinham que ter saído a morder, mas isso é difícil quando não se demonstram colmilhos.

NOMES PRÓPRIOS / É que não foi um jogo/partido de 40 minutos, mas de apenas 12-15, os que tardaram as {vitorianas} em pôr terra de por meio a base de triplos libertados e canastras baixo/sob/debaixo de o aro. Com o 21-47 do descanso/intervalo se te caía o alma aos pés e a essas alturas já se podiam tirar umas quantas conclusões demolidoras. A nível individual, a alarma mais escandalosa é a de {Arica} {Carter}, a base com {marchamo} {WNBA} que já nem é titular nem mira sequer à canastra (só/sozinho um tiro nos 14 minutos que permaneceu em pista). Em qualquer outro projeto estaria na rua, mas o clube não tem demasiado margem económico. Também deveria estar na rampa de saída é {Khadidiatou} {Diouf} (0 pontos e 1 ressalto em 18 minutos…). Nenhuma das duas mostrou nunca nível para jogar nesta liga, mesmo nas vitórias, e outra jogadora que sim testemunhou no passado ser útil, como {Miriam} {Forasté}, ligou outro jogo/partido de intraascendência pura. Um mais.

O afundamento global inclui aos valores mais fixos. {Jennie} {Simms}, sobre/em relação a a que se fecham as defesas de forma descarada ao considerá-la quase a única ameaça, já não é decisiva e seus 14 pontos e 11 ressaltos totais são muito enganosos: se produziram na sua maior parte quando estava tudo decidido. E os indícios de coragem de Paula Ginzo e {Bozica} {Mujovic} ficaram francamente diluídos. A impressão é que esta plantel/quadro é demasiado frouxa mesmo como para aspirar à manutenção e que as quatro vitórias que se acumularam nos primeiros dois meses {ligueros} foram pouco/bocado menos que um milagre. Agora pensar que se pode ir à Copa soa quase a brincadeira {macabra}.

A segunda parte sobrou, embora ainda faltava tocar fundo (36-67, {min}. 36) antes de um 9-0 que expressou bem o conceito/ponto de ‘maquilhagem’ no basquetebol moderno. Fará falta muito mais que um parcial voluntarioso com o rival com um pé no autocarro para endireitar a época.

{Ah}. Um último ‘{palito}’ ao governo municipal de Cáceres, aos de antes e ao de agora. Está a começar a ser {vergonzante} jogar no Serrano Macayo, um pavilhão que desde/a partir de os 70 acumula remendo após remendo que não solucionam seus eternos problemas. E não são poucos: principalmente o tremendo frio –-que até {conculca} o regulamento federativa-- e uma superfície escorregadia e {durísima}. Mas para temperatura de cadáver, a que tem agora o Al-Qázeres.

AO-{QÁZERES} 45

{ARASKI} 67

3Marcador por quartos: 10-22, 21-47 (descanso/intervalo), 30-59 e 45-67 (final).

3Árbitros: {Pagán}, González e Fernández. Sem eliminadas.

3Pabellón: Serrano Macayo.

3Espectadores: 350.

3Nissan Al-Qázeres Extremadura: {Bozica} {Mujovic} (13), Laura {Ferreira} (3), {Jennie} {Simms} (14), Paula Ginzo (9), {Miriam} {Forasté} (4) –cinco inicial- Julia Melina (0), {Khadidiatou} {Diouf} (0), {Dragana} {Domuzin} (2), {Arica} {Carter} (2).

3RPK {Araski}: Izaskun García (0), Laura {Quevedo} (10), Laura Pardo (4), {Tania} Pérez (4), {Tamara} Seda (8) –cinco inicial- Cristina Molinuevo (3), María Asurmendi (17), {Natalie} Vão dêem {Adel} (10), {Aisha} {Sutherland} (2), Raquel Carrera (9).